Biden diz que é hora de ‘terminar a guerra mais longa dos EUA’ com saída do Afeganistão

EUA 'cumpriu com objetivo' de garantir que país não fosse utilizado como base para atacar americanos, disse o presidente em discurso

(TONY KARUMBA / AFP)

(TONY KARUMBA / AFP)

Mundo

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou nesta quarta-feira 14 que chegou o momento de “acabar com a guerra mais longa dos Estados Unidos”, com seu plano de retirar as tropas do Afeganistão.

“Acredito que nossa presença no Afeganistão deve se concentrar no motivo pelo qual fomos em primeiro lugar: garantir que o Afeganistão não seja usado como base para atacar nossa pátria. Cumprimos esse objetivo”, disse ele em um discurso solene.

“Não podemos continuar o ciclo de estender ou expandir nossa presença militar no Afeganistão na esperança de criar as condições ideais para uma retirada, na esperança de um resultado diferente”, diz outro trecho da mensagem do líder democrata que busca retirar as tropas antes de 11 de setembro, data que marca o 20º aniversário dos atentados que levaram a esta intervenção.

“Vamos fazer os talibãs prestarem contas por seus compromissos de não permitir que nenhum terrorista ameace os Estados Unidos ou seus aliados a partir do território afegão”, afirmou Biden em um discurso no qual exortou Paquistão, Rússia, China, Índia e Turquia a apoiar Cabul.

Sem citar o Irã, que compartilha uma fronteira porosa com o Afeganistão, Biden afirmou que os países da região “têm um interesse significativo” na futura estabilidade de Cabul.

O Paquistão foi historicamente um apoio para os talibãs, que governaram entre 1996 e 2001, e foram depostos pela invasão americana após os atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.

Segundo um acordo negociado pelo ex-presidente republicano Donald Trump, os talibãs se comprometeram a não acobertar a Al Qaeda nem nenhum grupo extremista, o que constituiu a principal razão para a invasão de 2001.

 

 

 

Aliados da Otan acordam iniciar retirada de tropas

Os países da Otan acordaram iniciar a retirada de suas tropas do Afeganistão em 1º de maio, em um processo que deveria ser concluído em “poucos meses”, anunciou a aliança transatlântica em um comunicado.

Os aliados “reconhecem que não há uma solução militar aos desafios que o Afeganistão enfrenta” e por isso “determinaram que começaremos a retirada das tropas da Missão Resolute Force em 1º de maio”, destacaram na nota.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem