Mundo

Biden classifica como ‘excessiva’ resposta de Israel em Gaza

Os EUA, comandado pelo político do partido democrata, são os principais patrocinadores da guerra no Oriente Médio

Foto: Mandel NGAN / AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, classificou nesta quinta-feira (8) como “excessiva” a resposta de Israel na Faixa de Gaza após os ataques de 7 de outubro pelo movimento islâmico Hamas.

“Minha opinião é que a resposta em Gaza, na Faixa de Gaza, tem sido excessiva”, declarou o presidente à imprensa na Casa Branca.

O Exército israelense intensificou seus ataques nesta quinta-feira em Rafah, e Washington alertou seu aliado histórico sobre o risco de um “desastre” nesta cidade da Faixa de Gaza.

Meses de bombardeios e cerco aprofundaram a crise humanitária, especialmente no sul de Gaza.

Biden assegurou que está se esforçando para que a ajuda chegue ao território palestino, e apontou que o presidente do Egito, Abdel Fatah al-Sisi, inicialmente “não queria abrir as portas para permitir a entrada da assistência humanitária”.

“Falei com ele. O convenci a abrir as portas. Falei com ‘Bibi’ para que abrisse as portas do lado israelense”, disse, referindo-se ao primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu.

“Tenho me esforçado muito para levar ajuda humanitária a Gaza”, insistiu.

A guerra começou em 7 de outubro quando milicianos islamistas mataram mais de 1.160 pessoas, na maioria civis, e sequestraram cerca de 250 em um ataque no sul de Israel, segundo um balanço da AFP baseado em dados oficiais israelenses. Entre os mortos, estão mais de 300 militares.

Um cessar-fogo de uma semana no final de novembro permitiu a troca de cerca de cem reféns por prisioneiros palestinos detidos em Israel. Estima-se que cerca de 132 permanecem em cativeiro em Gaza e que 29 deles morreram.

Nos bombardeios e operações de represália israelenses em Gaza, cerca de 27.840 pessoas morreram, a maioria mulheres, crianças e adolescentes, segundo o Hamas, uma organização classificada como terrorista pela União Europeia e Estados Unidos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo