Esporte

‘Bebi duas garrafas de vinho e um copo de whisky’, diz Daniel Alves em julgamento

A justificativa pode ser vista como uma forma de reduzir a pena em caso de condenação

Foto: Alberto Estevez/AFP
Apoie Siga-nos no

Acusado de estuprar uma mulher espanhola, o ex-jogador brasileiro Daniel Alves prestou depoimento nesta quinta-feira 8. Este é o terceiro dia de audiências do caso, julgado pelo Tribunal Superior de Justiça da Catalunha.

De acordo com a imprensa espanhola, Alves chorou durante a oitiva, a ponto de não conseguir completar as frases. Ele também voltou a alegar ter ingerido bebidas alcóolicas em excesso.

“Bebi duas garrafas de vinho e um copo de whisky. Quando saímos do restaurante fomos para Nuba, passamos um tempo tomando uma rodada de gin tônica”, declarou, citado pelo jornal Marca.

A justificativa pode ser vista como uma forma de reduzir a pena em caso de condenação, tendo em vista que na Espanha o consumo exagerado de álcool é um possível atenuante.

Ao todo, o ex-lateral direito apresentou cinco versões sobre o episódio. Em um primeiro momento, disse não conhecer a vítima. Em seguida, afirmou que a encontrou no banheiro e posteriormente disse ter recebido sexo oral da mulher. Depois, alegou que a relação sexual foi consensual e, por fim, que estava sob efeito de álcool. 

Ele está preso preventivamente desde janeiro de 2023.

No depoimento, Dani Alves afirmou ter mentido na primeira versão porque não queria que sua esposa soubesse do caso e disse ter tomado conhecimento pela imprensa das acusações de estupro.

Alves afirmou que não é um homem violento e que não forçou a denunciante a acompanhá-lo ao banheiro. Ele negou ter estuprado a mulher e disse que ela estava livre para ir embora “a qualquer momento”.

Vestido com suéter branco, calça escura e óculos, Daniel Alves foi escoltado pelos agentes até a sala em que, como nos dois primeiros dias, acompanhou a sessão em silêncio. 

Também prestaram depoimento nesta quarta-feira 7 os médicos e os psicólogos forenses que atenderam a vítima.

Relembre o depoimento da vítima

A denunciante prestou depoimento na segunda-feira 5, e reforçou que foi vítima de uma agressão sexual por parte do jogador, em uma casa noturna de Barcelona.

Ela relembra que naquela noite estava com uma amiga e uma prima na área VIP da boate Sutton e que já tinha dançado com o jogador e amigos dele. Mas depois disso ele teria insistido para que ela o acompanhasse até um outro recinto.

A jovem alega que achava que, nesse segundo espaço, havia uma nova área VIP. No entanto, ao entrar e perceber que estava num banheiro pequeno, tentou sair, mas o jogador a empurrou para seu colo. Lá, segundo a ela, ocorreu o estupro.

Seu depoimento durou 1h15 e foi feito em uma área restrita. A Justiça espanhola tomou uma série de medidas para que a denunciante não tenha dados e imagens expostos, como alterar a voz da mulher para evitar que os arquivos tenham elementos que permitam identificá-la. Além disso, um biombo foi instalado para impedir contato visual entre ela e Alves.   

(Com informações da AFP)

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo