Argentina deixa o Grupo de Lima: pressão sobre a Venezuela ‘não levou a nada’

O País havia ingressado no grupo por decisão do governo Macri

O presidente da Argentina, Alberto Fernández. Foto: Juan Mabromata/AFP

O presidente da Argentina, Alberto Fernández. Foto: Juan Mabromata/AFP

Mundo

A Argentina se retirou, nesta quarta-feira 24, do Grupo de Lima, criado em 2017 para buscar uma saída para a crise na Venezuela, ao argumentar que tem sido inútil para ajudar a resolver o conflito interno no país vizinho.

 

 

“As ações que o Grupo vem promovendo em nível internacional, buscando isolar o Governo da Venezuela e seus representantes, não levaram a nada”, declarou o ministério argentino das Relações Exteriores.

O governo de Alberto Fernández, peronista de centro-esquerda que conquistou a presidência em chapa com a ex-presidente Cristina Kirchner, rejeitou “a participação de um setor da oposição venezuelana como membro do Grupo de Lima”.

Esta participação opositora “levou à adoção de posições que nosso governo não é capaz e não pode apoiar”, disse o ministério.

“Mais uma vez, reiteramos que a melhor forma de ajudar os venezuelanos é facilitando um diálogo inclusivo que não favoreça nenhum setor em particular, mas sim conseguir eleições aceitas pela maioria com controle internacional”, acrescentou.

“Um diálogo que, sem dúvida, se enriquecerá com vozes dos principais atores sociais do país, como a Igreja, o setor empresarial e as organizações não governamentais, sem exclusões”, acrescentou.

O governo Fernández afirmou que, “em um contexto em que a pandemia devasta a região, as sanções e bloqueios impostos à Venezuela e suas autoridades, bem como as tentativas de desestabilização ocorridas em 2020, só agravam a situação de sua população e, em particular, dos seus setores mais vulneráveis”.

“As sanções afetam os direitos humanos da população venezuelana, segundo afirma o relatório da relatora especial sobre as repercussões negativas das medidas coercitivas unilaterais no gozo dos direitos humanos”, disse a chancelaria.

A Argentina ingressou no Grupo de Lima, formado por 14 países americanos e a União Europeia, por decisão do governo anterior presidido por Mauricio Macri (2015-2019).

O objetivo deste grupo é promover uma solução pacífica para a crise na Venezuela e condenar a ruptura da ordem democrática. Em 2019, o líder opositor venezuelano Juan Guaidó ingressou no bloco.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem