Economia

Argentina anuncia bônus de 94 mil pesos para trabalhadores informais

A iniciativa beneficiará entre dois e três milhões de pessoas e foi anunciada pelo ministro da Economia e candidato à Presidência, Sergio Massa

O ministro da Economia e candidato à Presidência da Argentina, Sergio Massa. Foto: JUAN MABROMATA/AFP
Apoie Siga-nos no

O governo da Argentina lançou um bônus para trabalhadores informais, em uma tentativa de mitigar os efeitos da inflação. A medida foi anunciada nesta terça-feira 26, a menos de um mês da eleição presidencial, agendada para 22 de outubro.

A iniciativa beneficiará entre dois e três milhões de pessoas e foi anunciada pelo ministro da Economia e candidato à Presidência, Sergio Massa.

O bônus totaliza 94 mil pesos (1.272 reais) e será pago em duas parcelas, em outubro e novembro. Um adiantamento de impostos para o setor bancário viabilizou o lançamento do benefício.

“Para garantir que essa medida não afete as contas públicas e que possamos manter a ordem fiscal, sem que isso nos impeça de alcançar os setores mais vulneráveis, tomamos a decisão de cobrar um adiantamento extraordinário do imposto de renda às empresas que foram os grandes beneficiários da desvalorização imposta pelo FMI (Fundo Monetário Internacional), principalmente bancos, empresas financeiras e empresas de seguros”, disse Massa.

A inflação acelerou após uma desvalorização de cerca de 20% decretada em 14 de agosto. De janeiro a agosto, o índice de preços ao consumidor acumula um aumento de 80,2% – a inflação nos últimos 12 meses ultrapassa os 120%.

Três candidatos seguem próximos na preferência do eleitor, segundo uma pesquisa realizada pelo Centro Estratégico Latino-Americano de Geopolítica.

O representante da ultradireita, Javier Milei, continua na dianteira, com 33,2% das intenções de voto, enquanto Massa, o nome do peronismo, atinge 32,2%. Os dois estão tecnicamente empatados. Na terceira posição, aparece Patricia Bullrich, com 28,1%.

O levantamento presencial foi realizado entre 1º e 20 de setembro com uma amostra de 2.509 pessoas distribuídas por todo o território argentino. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais.

(Com informações da AFP)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.