Mundo

Após criticar acordo com o Mercosul, Macron anuncia verba para a Amazônia

O presidente da França garantiu 2,68 bilhões de reais para preservação

O presidente Lula e o presidente da França, Emmanuel Macron, durante a COP28, em Dubai, em 2 de dezembro de 2023. Foto: Ludovic Marin/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente da França, Emmanuel Macron, afirmou neste sábado 2 que repassará 500 milhões de euros – cerca de 2,68 bilhões de reais – para a preservação da Amazônia nos próximos três anos.

“Com o Brasil, estamos determinados a preservar as florestas. Nos próximos três anos, a França dedicará 500 milhões de euros à sua preservação”, disse Macron, em postagem no X. A declaração veio acompanhada de uma foto com o presidente Lula (PT) em uma reunião bilateral na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de 2023, a COP28, nos Emirados Árabes.

O anúncio foi feito horas depois de Macron criticar o acordo Mercosul-União Europeia, que chamou de “incoerente” e ao qual disse ser “totalmente contra”. Ele afirma que o acordo, negociado há décadas, tem sido “mal remendado” na tentativa de conclui-lo.

“Não leva em conta a biodiversidade e o clima dentro dele. É um acordo comercial antiquado e que desfaz tarifas”, acrescentou.

Pouco após a declaração, que ocorreu na sequência da reunião bilateral, Lula afirmou que Macron tem o direito de se opor. “A França sempre foi um país mais duro para se fazer acordos, porque a França é mais protecionista”, avaliou o petista.

Na manhã deste sábado, o Reino Unido também anunciou uma destinação adicional de 35 milhões de libras (cerca de 215 milhões de reais) para o Fundo Amazônia, além dos 80 milhões de libras (500 milhões de reais) que já havia anunciado em maio.

(Com informações da Agência Brasil)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.