Mundo

Aliados de esquerda apoiam México após invasão à embaixada em Quito

Em um comunicado, o Itamaraty condenou “nos mais firmes termos” a medida levada adiante pelo governo equatoriano

Rodrigo Buendía / AFP
Apoie Siga-nos no
Os governos de esquerda da América Latina apoiaram neste sábado (6) o México em sua crise diplomática com o Equador e denunciaram o assalto à sua embaixada em Quito pela polícia, ao mesmo tempo que a OEA qualificou a ação como “improcedente”.

A iniciativa culminou na detenção do ex-vice-presidente equatoriano Jorge Glas, procurado pela justiça de seu país e que se refugiava na sede diplomática mexicana.

Brasil

Em um comunicado, o Itamaraty condenou “nos mais firmes termos” a medida levada adiante pelo governo equatoriano.

É “uma clara violação” de convenções internacionais que estabelecem que “os locais de uma Missão diplomática são invioláveis”, e constitui um “grave precedente” que merece um “enérgico repúdio”, afirmou o Ministério das Relações Exteriores.

Toda minha solidariedade ao presidente e amigo (Andrés Manuel) @lopezobrador_”, escreveu o presidente Luiz Inácio Lula da Silva no X, onde compartilhou o comunicado do Itamaraty.

Venezuela

O Ministério das Relações Exteriores da Venezuela disse em um comunicado que Glas foi capturado “ilegalmente” após ter recebido asilo, “produto da atroz perseguição da qual foi vítima”.

“Tudo isso constitui uma ação que nem nas mais atrozes ditaduras da região, como a de Augusto Pinochet no Chile ou Jorge Rafael Videla na Argentina, foi registrada”, disse o governo de Nicolás Maduro na nota, divulgada nas redes sociais pelo chanceler venezuelano, Yván Gil.

Cuba

Cuba condenou “de forma enérgica” a “incursão de forças militares do Equador”.

“Constitui uma flagrante violação da Convenção de Viena sobre Relações Diplomáticas, ao direito de asilo e à soberania do México”, afirmou o chanceler cubano, Bruno Rodríguez, no X.

Bolívia

O presidente da Bolívia, Luis Arce, qualificou a incursão como um fato “grave e inaceitável” que “não tem precedentes na história do direito internacional”.

“Rejeitamos a transgressão ao direito de asilo após o sequestro e detenção do ex-vice-presidente do Equador Jorge Glas, que permanecia à espera de um salvo-conduto na sede diplomática mexicana”, afirmou o presidente na X.

Além de violar normas internacionais, o ocorrido afeta “a irmandade e a convivência pacífica entre os povos da América Latina e do Caribe”, acrescentou Arce.

Honduras

A presidente de Honduras, Xiomara Castro, disse que a invasão da embaixada teve como objetivo “sequestrar” Glas e representa um “ato intolerável”.

“Repudiamos veementemente essa violação à soberania do Estado mexicano e ao direito internacional. Solidarizamo-nos com o povo mexicano e seu presidente López Obrador”, afirmou Castro.

OEA

A Secretaria-Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA) disse por sua vez em um comunicado que “rejeita qualquer ação violadora ou que ponha em risco a inviolabilidade dos locais das missões diplomáticas” e disse que os países não podem “invocar normas de direito interno para justificar o descumprimento de suas obrigações internacionais”.

“Neste contexto, manifesta solidariedade a quem foi vítima das ações impróprias que afetaram a Embaixada do México no Equador”.

A organização chamou ao “diálogo entre as partes” e considerou “necessária uma reunião do Conselho Permanente da OEA”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo