Mundo

África do Sul avança na contagem eleitoral com maioria do ANC em risco

Se a tendência dos primeiros votos apurados se confirmar, será a primeira vez que o ANC recolhe menos de 50% dos votos desde 1994

Apoiadores do Congresso Nacional Africano (ANC) cantam durante o Rally Siyanqoba do partido no Estádio FNB em Joanesburgo em 25 de maio de 2024, antes das próximas eleições nacionais e provinciais do país em 29 de maio de 2024. Foto: Phill Magakoe / AFP
Apoie Siga-nos no

A África do Sul prossegue, nesta quinta-feira (30), com a contagem dos votos, depois de uma eleição com forte participação em que o Congresso Nacional Africano (ANC), partido do falecido Nelson Mandela, poderá perder a maioria parlamentar após três décadas.

Com apenas 10% dos votos apurados, o ANC liderou a contagem com 42% dos votos (bem abaixo dos 57% de 2019), seguido pelo partido neoliberal Aliança Democrática (DA) com 26%, segundo as autoridades eleitorais.

O partido esquerdista Lutadores da Liberdade Econômica (EFF) ficou em terceiro lugar com 8%, ligeiramente acima do partido uMkhonto we Sizwe (MK) do ex-presidente Jacob Zuma, com 7%.

Os resultados finais não são esperados antes do fim de semana, mas poderão obrigar o atual líder do ANC e presidente nacional, Cyril Ramaphosa, a procurar aliados para obter um segundo mandato.

Se a tendência dos primeiros votos apurados se confirmar, será a primeira vez que o ANC recolhe menos de 50% dos votos desde as eleições democráticas de 1994, que marcaram o fim do apartheid.

“África do Sul à beira de uma mudança política”, foi a manchete da primeira página do jornal BusinessDay desta quinta-feira, sublinhando a natureza histórica que estas eleições poderiam ter.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo