Mundo

assine e leia

A bela e a fera

Sheynnis Palacios, Miss Universo, é alçada à improvável posição de antagonista de Daniel Ortega

Paranoia. Ortega vê na comoção popular pelo título de Palacios uma ameaça ao seu poder ditatorial – Imagem: Jairo Cajina e Marvin Recinos/AFP
Apoie Siga-nos no

A recente eleição de Sheynnis Palacios como Miss Universo foi uma grande notícia para a Nicarágua. Multidões alegres saíram às ­ruas de Manágua pela primeira vez desde os protestos em massa de 2018, que foram reprimidos com força letal. O regime político do país, paranoico com qualquer sinal de dissidência, inicialmente felicitou Palacios, mas desde então reprimiu as comemorações, até porque a própria miss participou das manifestações de 2018, e os opositores do regime a consideraram um símbolo de esperança e desafio.

Palacios, de 23 anos, tornou-se a primeira Miss Universo da América Central, na edição deste ano do concurso, rea­lizada em El Salvador em 18 de novembro. “Foi uma surpresa, e provocou manifestações espontâneas de alegria no país”, disse Elvira Cuadra, socióloga nicaraguense que vive exilada na Costa Rica.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.