Justiça

Zanin nega HC e mantém a proibição de punir médico por aborto legal após a 22ª semana

Uma liminar concedida por Alexandre de Moraes suspendeu todos os processos judiciais e administrativos instaurados com base em norma do CFM

O ministro do STF Cristiano Zanin. Foto: Carlos Moura/SCO/STF
Apoie Siga-nos no

O ministro do Supremo Tribunal Federal Cristiano Zanin manteve a decisão liminar do colega Alexandre de Moraes pela derrubada de uma norma do Conselho Nacional de Medicina que proibia médicos de realizar abortos legais após a 22ª semana de gestação.

Na decisão, Zanin apontou que o regimento interno da Corte não permite acolher um habeas corpus contra decisão de outro ministro.

O aborto legal no Brasil é permitido em casos de gravidez decorrente de violência sexual, risco à saúde da gestante ou anencefalia fetal, sem previsão de prazo gestacional ou necessidade de autorização judicial.

Uma resolução do CFM impedia que profissionais de saúde realizassem a assistolia fetal em gestações com mais de 22 semanas. A resolução, na prática, dificultava a interrupção da gravidez, já que o método é considerado essencial para o aborto depois das 20 semanas. O procedimento é recomendado pela Organização Mundial da Saúde nesses casos.

Em 24 de maio, Moraes suspendeu todos os processos judiciais e administrativos instaurados com base na norma do CFM.

Zanin foi sorteado relator da ação que pretendia reavaliar a liminar. O habeas corpus foi protocolado pelo advogado Ricardo Hasson Sayeg, presidente da Comissão Nacional Cristã de Diretos Humanos do Foro Evangélico Nacional de Ação Política e Social. No pedido, o defensor alegou se tratar de um “feticídio coletivo dos nascituros”.

O termo utilizado pelo advogado deveria significar homicídio fetal, mas a expressão não está presente no Código Penal e não consta do rol de crimes contra a vida.

A liminar de Moraes foi concedida a partir de uma ação apresentada pelo PSOL e será julgada no plenário virtual do STF a partir da sexta-feira 31.

Além do habeas corpus protocolado pelo advogado, o Conselho Federal de Medicina entrou com um recurso para tentar reverter a decisão de Moraes.

O órgão pediu ao Supremo que anule a ordem do ministro, sob a justificativa de que o tema deveria ter sido avaliado por Edson Fachin, relator de uma ação sobre aborto legal.

Leia a íntegra da decisão de Zanin:

hc zanin cfm

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo