Justiça

Verba de campanha proporcional entre negros e brancos vale para eleições 2020, decide Lewandowski

A decisão vai de encontro ao que o TSE decidiu no mês passado

O ex-ministro Ricardo Lewandowski. Foto: Nelson Jr./SCO/STF O ministro Ricardo Lewandowski. Foto: Nelson Jr./SCO/STF
Apoie Siga-nos no

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski decidiu, nesta quinta-feira 10, que a divisão proporcional de recursos de financiamento de campanhas e o tempo de propaganda no rádio e na TV entre candidatos negros e brancos, aprovado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), deve valer já para as eleições 2020.

A decisão vai de encontro ao que o TSE decidiu no mês passado, quando acatou a pauta proposta pela deputada Benedita da Silva (PT-RJ) e pelo movimento negro. Na ocasião, os magistrados decidiram por deixar as novas regras válidas somente nas eleições de 2022.

Lewandowski tomou a decisão em caráter liminar após pedido do PSOL e já submeteu o tema à análise do plenário, que tem um novo presidente a partir desta quinta – o ministro Luiz Fux. Ainda não há previsão de quando o tema será discutido pelos 11 ministros do STF.

Em relação ao tempo que, segundo o TSE, seria necessário para a adaptação dos partidos, Lewandowski destacou que a decisão não implica em alterações nas “regras do jogo” das eleições, mas em uma garantia de que os recursos sejam destinados de maneira equilibrada.

“A obrigação dos partidos políticos de tratar igualmente, ou melhor, equitativamente os candidatos decorre da incontornável obrigação que têm de resguardar o regime democrático e os direitos fundamentais (art. 16, caput, da CF) e do inarredável dever de dar concreção aos objetivos fundamentais da República, dentre os quais se destaca o de “promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade”, escreveu o ministro.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo