Justiça

TRE do Rio retoma o julgamento que pode cassar o mandato de Cláudio Castro; relembre o voto do relator

Vice-governador e presidente da Alerj também estão na mira da Justiça Eleitoral e podem perder os mandatos

O governador do RJ, Cláudio Castro. Foto:Tânia Rêgo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) retoma nesta quinta-feira 23 o julgamento que pode levar à cassação do mandato do governador do estado, Cláudio Castro (PL), do vice, Thiago Pampolha (MBD), e do presidente da Alerj, Rodrigo Bacellar (União Brasil).

O colegiado analisa se houve desvios na Fundação Centro Estadual de Estatísticas, Pesquisas e Formação de Servidores Públicos do Rio de Janeiro (Ceperj) e na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) no ano de 2022.

Na semana, foi dado o primeiro voto no julgamento. O desembargador Peterson Barroso Simão, relator do caso, votou pela cassação de Castro. 

Segundo o magistrado, as contratações temporárias foram feitas na Ceperj e na Uerj sem que se cumprissem os critérios estabelecidos em lei. Assim, houve violação de princípios básicos da administração pública, como os da impessoalidade, transparência e impessoalidade.

A condenação e a reprovação de alguns investigados estão de acordo com a legislação eleitoral, não havendo outro caminho a seguir. Se outro fosse o entendimento desse relator, absolvendo todos os investigados, haveria um sentimento de cumplicidade com o injusto e o ilegal, ao mesmo que afrontaria sua missão constitucional”, disse o magistrado.

No voto, o desembargador também sustentou, em mais de uma oportunidade, que o TRE deve cassar os envolvidos como forma de “dar uma resposta” à sociedade.

O relator propôs que os três citados fossem condenados, perdendo os seus mandados.

No caso do vice-governador, que só passou a integrar a chapa de Castro um mês antes das eleições de 2022, a punição seria, além da cassação, uma multa de 21 mil reais. Para Castro e Bacellar, porém, o relator indicou não apenas a cassação, mas a inelegibilidade.

Na sessão da semana passada, o julgamento foi interrompido por um pedido de vistas do desembargador Marcello Granado. É ele que vai retomar o debate nesta quinta.

No total, são sete os desembargadores que vão decidir sobre o futuro das três figuras políticas mais importantes do Rio. Para além do relator, nenhum dos demais juízes antecipou o voto.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo