CartaExpressa

Suspeito de financiar atos do 8 de Janeiro terá que depor na CPMI, decide STF

Fazendeiro Argino Bedin é produtor de soja no Mato Grosso. Ele é suspeito de ser um dos financiadores dos atos golpistas

Argino Bedin ao lado do então presidente Jair Bolsonaro em setembro de 2020. Foto: Alan Santos/PR
Apoie Siga-nos no

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), manteve a obrigatoriedade do empresário e fazendeiro Argino Bedin comparecer à CPMI do 8 de Janeiro nesta terça-feira 3.

O empresário, que é produtor de soja no Mato Grosso, é suspeito de ter financiado os atos golpistas. A decisão assegura a Bedin o direito ao silêncio.

A defesa do empresário argumentava que, apesar de ter sido convocado como testemunha, a suspeita de ter financiado os atos antidemocráticos o colocavam na condição de investigado.

Alegava também que, no âmbito de inquérito instaurado pelo STF, Bedin teve suas contas bloqueadas em novembro do ano passado, o que retira sua condição de testemunha.

Na decisão, Toffoli destaca que, embora o empresário figure na lista de investigados como eventual financiador dos atos golpistas, o requerimento apresentado o convoca para ser ouvido na condição de testemunha.

Nesse sentido, entre as obrigações a que devem ser submetidas as testemunhas está a de depor e de dizer a verdade sobre o que souber e o que lhe for perguntado.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo