Justiça

STF autoriza governo a pagar precatórios até 2026 sem infringir regra fiscal

Ministro André Mendonça foi o único voto contrário, formando 9 votos a 1

Foto: Carlos Moura/SCO/STF
Apoie Siga-nos no

Com o voto do ministro Kassio Nunes Marques nesta quinta-feira 30, o Supremo Tribunal Federal votou para liberar o governo a usar até 2026 um modelo diferenciado para pagar os precatórios, as dívidas da União reconhecidas em definitivo pela Justiça.

O ministro André Mendonça foi o único voto contrário, formando 9 votos a favor e um contra o pagamento em modelo diferenciado. O processo corre no plenário virtual e encerra oficialmente às 23h59 desta quinta-feira 30.

Os ministros ainda autorizaram uma abertura de crédito extraordinário para quitar o passivo. A decisão parte de um pedido feito pelo governo federal que visa possibilitar o pagamento dos valores por meio de um modelo diferenciado, até 2026.

Prevaleceu no julgamento o voto do ministro Luiz Fux, relator do caso. Em seu voto, o ministro relator seguiu o parecer da Advocacia-Geral da União, que opinou para que a regra do teto de gastos seja desconsiderada para o pagamento dos precatórios.

Segundo o órgão, o regime vigente poderá levar a um estoque de dívidas de até 250 bilhões de reais até 2027, o que seria, segundo o governo, impagável.

O teto para o pagamento de precatórios foi uma regra criada durante a gestão de Jair Bolsonaro (PL).

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo