Sônia Guajajara é intimada a depor na PF após acusação da Funai

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil classificou o episódio como 'perseguição'. Funai mira em websérie sobre Covid-19 nas aldeias

A Coordenadora da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, Sônia Guajajara (Wilson Dias/Agência Brasil)

A Coordenadora da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, Sônia Guajajara (Wilson Dias/Agência Brasil)

Justiça

A Polícia Federal intimou a coordenadora da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), Sônia Guajajara, a prestar esclarecimentos sobre a web-série Maracá, publicada pela Apib, que é alvo de um pedido de inquérito feito pela Funai.

A acusação da Funai é que o conteúdo “difamaria” o governo federal e suas políticas voltadas aos povos indígenas.

A série foi lançada ao longo de 2020 e fala do enfrentamento à Covid-19 nas aldeias, além de tecer críticas ao discurso do governo de Jair Bolsonaro que, por mais de uma vez, defendeu a legalização da mineração em terras demarcadas e registrou, em sua gestão, recordes de desmatamento e queimadas na floresta amazônica.

Nas redes sociais, Guajajara confirmou a intimação e definiu o ato da Funai como perseguição. A Apib, em nota, declarou que “o governo busca intimidar os povos indígenas em uma nítida tentativa de cercear nossa liberdade de expressão, que é a ferramenta mais importante para denunciar as violações de direitos humanos”.

 

 

 

CartaCapital fez um pedido de nota à Funai, que ainda não se manifestou.

Com a vacinação ainda não completa e diversas denúncias e dados de que a pandemia acelerou a expansão da ocupação de terras indígenas por grileiros e garimpeiros, a Apib já registrou 1059 óbitos de indígenas ao redor do Brasil, além de mais de 53 mil casos de infecção confirmados.

O dado difere do fornecido pela Secretaria de Saúde Indígena (Sesai), do Ministério da Saúde, que contabiliza apenas indígenas aldeados em seu levantamento.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem