Justiça

Relembre a denúncia contra Zambelli e Delgatti que será julgada nesta terça-feira pelo STF

Primeira Turma do Supremo irá decidir se recebe ou não a denúncia feita pela PGR contra a parlamentar e o hacker de Araraquara

Apoie Siga-nos no

A 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) analisa, nesta terça-feira 21, a denúncia apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra a deputada federal Carla Zambelli (PL-SP) e o hacker Walter Delgatti Neto. 

A dupla é acusada de invadir o sistema do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e inserir falsos mandados de soltura e decretos de prisão. A intenção da dupla, segundo a PGR, era descredibilizar a Justiça, forjando, por exemplo, uma prisão contra o ministro Alexandre de Moraes.  Delgatti e Zambelli também tentaram soltar integrantes de facções criminosas com documentos falsos.

Caso o colegiado decida pelo recebimento da denúncia, a deputada e o hacker de Araraquara se tornarão réu, dando início a uma ação penal para apurar a responsabilização pelos crimes de invasão a dispositivo informático e falsidade ideológica. 

Considerando a pena máxima dos crimes imputados, a condenação poderia resultar em 6 anos de prisão, além de multa. 

Para o procurador-geral da República, Paulo Gonet, Zambelli atuou como mandante do crime. Delgatti, por sua vez, é o executor.

“Zambelli comandou a invasão a sistemas institucionais utilizados pelo Poder Judiciário, mediante planejamento, arregimentação e comando de pessoa com aptidão técnica e meios necessários ao cumprimento de tal mister”, diz um trecho da denúncia.

Para a PGR, a finalidade de Zambelli teria sido “adulterar informações, sem autorização expressa ou tácita de quem de direito”.

Segundo a versão do hacker, que está preso, Zambelli pagou cerca de 40 mil reais para ele “invadir qualquer sistema do Judiciário”. A deputada nega todas as acusações. 

Em depoimento à Comissão Parlamentar Mista de Inquérito que investigava o 8 de Janeiro, o hacker afirmou que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) sabia do pedido da invasão aos sistemas e que havia lhe prometido anistia, caso fosse processado. A ação, em teoria, fazia parte da trama golpista gestada no entorno do ex-capitão.

À PF, Delgatti também deu detalhes sobre uma reunião no Ministério da Defesa, onde foi pedido que ele auxiliasse na produção de um relatório sobre a fragilidade das urnas eletrônicas. 

A intenção era de que o hacker fraudasse uma invasão ao sistema de votação para descredibilizar a urna eletrônica, abrindo brecha para uma suposta anulação do resultado eleitoral.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo