Justiça

Por falta de câmera corporal em policial, STJ absolve acusado em São Paulo

Diante de um conflito de versões, a 6ª Turma entendeu ter sido opção do Estado não se aparelhar devidamente para a produção de provas

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

A 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça declarou a nulidade das provas usadas para condenar um homem acusado de tráfico de drogas e, por consequência, o absolveu.

Diante de um conflito de versões, a maioria do colegiado entendeu ter sido uma opção do Estado não se aparelhar devidamente para a produção de provas – os policiais, por exemplo, não usaram câmeras corporais.

Em São Paulo, um homem foi abordado por policiais militares em uma via pública. Os agentes alegam que estavam em patrulhamento quando o acusado, ao avistá-los, fugiu e lançou uma sacola no terreno vizinho à sua casa.

A versão oficial dá conta de que havia 62 pinos com cocaína na sacola.

A defesa, por outro lado, sustenta que, apesar de nada ter sido encontrado com seu cliente, ele foi agredido pelos policiais, devido ao seu histórico criminal – motivo pelo qual teria tentado fugir. Argumenta ainda que a sacola não pertencia ao acusado e teria sido apreendida ilegalmente, uma vez que os agentes invadiram um imóvel vizinho sem mandado judicial.

Nas instâncias anteriores, o réu perdeu. No STJ, o Ministério Público de São Paulo argumentou que a fuga e o descarte da sacola seriam justificativas para a ação dos policiais e pediram a manutenção da condenação.

Relator do caso na Corte, o ministro Sebastião Reis Junior enfatizou ser necessária uma fundada suspeita para legitimar a busca pessoal. Já uma busca residencial sem mandado judicial demanda elementos a indicarem a ocorrência de um crime no imóvel.

Prevaleceu na 6ª Turma a avaliação de que a polícia tentou fundamentar a abordagem no aparente nervosismo do acusado, o que não seria justa causa para a ação realizada. O caso foi a julgamento em abril, mas o STJ divulgou o acórdão nesta quinta-feira 23.

“Tenho dito com frequência que situações como esta, em que há conflito de narrativas, poderiam ser solucionadas caso a polícia utilizasse meios modernos de controle de sua atividade, como as câmeras. Se registrada a abordagem, bem como seus momentos anteriores, não teríamos dúvida se os fatos ocorreram de acordo com o que foi descrito pelos policiais ou de acordo com o que foi narrado pelo recorrente”, concluiu o relator. “Fica evidente que o Estado optou por não se aparelhar de forma suficiente para produzir as provas necessárias.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo