Justiça

PMs da Bahia venderam fuzis apreendidos com facção por WhatsApp, diz Promotoria

Três policiais foram alvo da Operação Mosquete, deflagrada pelo Gaeco nesta segunda-feira 26. Um foi preso em flagrante

Divulgação/PM Bahia
Apoie Siga-nos no

O Ministério Público da Bahia investiga a participação de três policiais militares em um grupo criminoso que articulava a venda de fuzis através de aplicativos de mensagens, entre eles o WhatsApp. Um agente da Polícia Penal também é apontado como integrante da associação.

A tentativa de vender quatro fuzis modelo Colt por 70 mil reais cada um teria acontecido em janeiro, segundo a Promotoria. O arsenal havia sido apreendido pelos PMs com integrantes de uma facção criminosa com atuação em Cajazeiras, bairro localizado na periferia de Salvador.

Logo após a apreensão, os militares fotografaram o armamento e passaram a divulgá-lo em grupos privados compostos majoritariamente por policiais. Dois fuzis foram comercializados e o restante entregue para reparo ao agente penal e seu pai, proprietário de uma loja de armas na Cidade Nova.

Todos foram alvos de busca e apreensão nesta segunda-feira 26, no âmbito da Operação Mosquete, deflagrada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) e pela Polícia Civil do estado. A Corregedoria da PM acompanha as investigações.

Os nove mandados foram autorizados pela Vara de Auditoria Militar de Salvador. Além de endereços ligados aos militares, policiais também estiveram nos batalhões onde os investigados atuam – o pai do agente penal também foi alvo da operação.

Os agentes cumpriram as diligências em seis bairros da capital baiana. Um dos PMs foi preso em flagrante com munição de uso restrito, mira para fuzil e cocaína. O material foi enviado à perícia.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo