Justiça

PF prende homem que abrigou fugitivos do presídio de Mossoró por 8 dias

Ronaildo da Silva Fernandes, o quinto homem a ser preso sob suspeita de colaboração com os detentos, teria recebido 5 mil reais para esconder os fugitivos

Rogério e Deibson, a dupla que fugiu de presído em Mossoró. Foto: Divulgação/Secretaria Nacional de Políticas Penais
Apoie Siga-nos no

Um homem acusado de abrigar os dois fugitivos do presídio federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte, foi preso pela Polícia Federal nesta segunda-feira 26.

A informação foi confirmada a jornalistas pelo ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, durante uma agenda na Embaixada da Espanha, em Brasília.

Rogério da Silva Mendonça (conhecido como Tatu) e Deibson Cabral Nascimento (vulgo Deisinho) escaparam da unidade de segurança máxima em 14 de fevereiro e desde então continuam foragidos.

Inaugurado em 2009, o presídio federal de Mossoró é o único do Nordeste e uma das cinco unidades prisionais federais do país, que abriga mais de 200 detentos. É a primeira vez na história que há uma fuga registrada em unidade desta modalidade.

Lewandowski evitou dar detalhes sobre a prisão. As buscas pelos fugitivos segue e os investigadores acreditam que eles continuam na região, acrescentou o ministro.

Ronaildo da Silva Fernandes é o quinto homem a ser preso sob suspeita de colaboração com os detentos. Os investigadores trabalham com a hipótese de que o mecânico de 38 anos tenha recebido 5 mil reais para esconder os fugitivos em sua propriedade rural, a 30 quilômetros da unidade prisional.

A prisão foi autorizada pela Justiça Federal do Rio Grande do Norte. No final de semana, Ronaildo havia procurado a polícia e afirmou ter sido ameaçado a ajudar na fuga. A PF, porém, identificou inconsistências nos relatos e pediu a detenção do suspeito.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo