Justiça

O que pesa contra Moro nas ações do TRE-PR; veja detalhes dos gastos

Ações de partidos e parecer do MPE acusam o senador de abuso de poder econômico por gastos da ordem de R$ 2 milhões na pré-campanha; defesa diz que o valor não desequilibrou a disputa

O senador Sergio Moro (União Brasil-PR). Foto: Patricia de Melo Moreira/AFP via Getty Images
Apoie Siga-nos no

O Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) deverá começar a se debruçar sobre as ações que pedem a cassação do mandato do senador Sergio Moro (União Brasil-PR). Embora o julgamento sobre o futuro político de Moro ainda não tenha sido pautado, as sessões da Corte Eleitoral retornam nesta segunda-feira 22.

Moro é alvo de duas ações no TRE-PR: uma proposta pelo PL e outra apresentada pela Federação Brasil da Esperança, composta pelo PT, pelo PCdoB e pelo PV. Em comum às duas ações, está a acusação de que Moro teria cometido abuso de poder econômico na campanha eleitoral de 2022. 

O Ministério Público Eleitoral (MPE), inclusive, já se posicionou favorável à perda do mandato de Moro. Para o órgão, houve irregularidades nas contas de pré-campanha do então candidato.

Os detalhes dos gastos e como eles desequilibraram a disputa, segundo o MPE

Em documento apresentado no mês passado, o MPE concluiu que os gastos atingiram a casa dos 2,03 milhões de reais, considerado excessivo.

Entre os maiores gastos feitos pelo União Brasil, partido de Moro, estão os seguintes: 429,7 mil reais para a locação de aeronave, 333,3 mil reais para serviços advocatícios e 200 mil reais para serviços de comunicação, publicidade e propaganda para redes sociais.

Em relação aos gastos com viagens, a lista aponta o fato de que o diretório do União Brasil do Paraná teria contratado os serviços da Táxi Aéreo Hércules. No total, 21 voos entre o Paraná e São Paulo foram identificados, entre julho e agosto de 2022.  

Outros 165,4 mil reais foram gastos em serviços de segurança, e 59,2 mil reais foram destinados à locação de veículos. 

Segundo o MPE, o volume de gastos teria levado Moro a uma exposição desproporcional aos demais candidatos, durante o período da pré-campanha. 

O que diz a defesa de Moro

O senador tem evitado se manifestar sobre as acusações e a respeito do julgamento. Na ação, a defesa vem argumentando que as despesas não foram feitas apenas à sua campanha, mas para as dos demais pré-candidatos do União Brasil e do Podemos.

Além disso, a defesa de Moro aponta que gastos relativos à contratação de advogados e serviços de segurança não constituem vantagem sobre os demais candidatos. Em termos de valores, a defesa diz que os gastos na pré-campanha se restringiram a 144 mil reais.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo