Justiça

Moraes vota por tornar réus outros 250 envolvidos no 8 de janeiro

Este é o quinto julgamento na Suprema Corte; votação seguirá até a próxima segunda-feira, de forma virtual

O ministro do STF Alexandre de Moraes. Foto: Rosinei Coutinho/STF
Apoie Siga-nos no

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, votou para tornar réus outros 250 envolvidos nos atentados do dia 8 de Janeiro, em Brasília. O voto foi registrado na madrugada desta terça-feira 16 no plenário virtual durante o quinto julgamento de bolsonaristas presos pelos atos golpistas.

Na decisão, o ministro repetiu o entendimento dos quatro julgamentos anteriores, quando votou para tornar réus outros 800 denunciados pela Procuradoria-Geral da República. Até aqui, o voto do relator tem sido seguido pela maioria do tribunal. Apenas Kassio Nunes Marques e André Mendonça discordaram parcial ou totalmente do ministro nas análises anteriores.

Com este quinto julgamento, chegará a 1.050 o número de casos analisados. Ao todo, 1.300 denúncias foram apresentadas pela PGR. Após o fim desta sessão, na próxima segunda-feira, restarão, portanto, 250 envolvidos para serem julgados.

Se assim como nos casos anteriores, a maioria dos ministros aceitar as denúncias, os acusados passarão a responder a uma ação penal e se tornam réus no processo. De acordo com o STF, eles deverão responder pelos crimes de associação criminosa armada, abolição violenta do Estado democrático de direito, golpe de estado, dano qualificado e incitação ao crime.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo