Justiça

Moraes se declara impedido em julgamento de recurso sobre agressão em aeroporto

O STF deve decidir se compartilhará ou não a gravação

O ministro Alexandre de Moraes. Foto: Nelson Jr./SCO/STF
Apoie Siga-nos no

O ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes se declarou impedido no julgamento de recursos apresentados pela Procuradoria-Geral da República e pelo empresário Roberto Mantovani Filho, suspeito de agredir o filho do magistrado no aeroporto de Roma, em julho de 2023.

A Corte deve decidir se compartilhará com a defesa de Mantovani as imagens que retratam a suposta agressão à família do ministro.

A PGR, além de solicitar acesso à gravação, contestou a inclusão de Moraes como assistente de acusação no caso.

O Código de Processo Penal determina que um juiz não pode participar de um caso no qual “ele próprio ou seu cônjuge ou parente, consanguíneo ou afim em linha reta ou colateral até o terceiro grau, inclusive, for parte ou diretamente interessado no feito”.

O Supremo também decidirá se mantém a decisão do ministro Dias Toffoli que disponibilizou a íntegra da gravação, mas negou a extração da filmagem das câmeras de segurança. 

O julgamento dos recursos ocorre no plenário virtual. Toffoli já votou por rejeitar os agravos e manter sua decisão.

A Polícia Federal concluiu na quinta-feira 15 que o filho de Moraes foi vítima do crime de injúria real praticado por Roberto Mantovani Filho, mas não pediu qualquer indiciamento, por se tratar de um crime de baixo potencial ofensivo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo