Justiça

Moraes rejeita pedido de Bolsonaro e mantém depoimento sobre trama golpista

‘Não é o investigado que decidirá prévia e genericamente pela possibilidade ou não da realização de atos procedimentais’, escreveu o ministro

O ex-presidente Jair Bolsonaro. Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, negou um pedido de Jair Bolsonaro (PL) e determinou que a Polícia Federal mantenha o depoimento do ex-presidente na próxima quinta-feira 22, no âmbito da investigação sobre a tentativa de um golpe de Estado.

Mais cedo, a defesa do ex-capitão havia pedido o adiamento da oitiva.

Moraes também liberou o acesso dos advogados aos autos do processo, com exceção das diligências em andamento e da delação premiada do tenente-coronel Mauro Cid.

Na decisão, o ministro afirmou que o respeito aos direitos dos investigados não “deve ser interpretado para limitar indevidamente o dever estatal de exercer a investigação e a persecução criminal”.

“O investigado até pode escolher o direito de falar no momento adequado ou o direito ao silêncio parcial ou total. Mas não é o investigado que decidirá prévia e genericamente pela possibilidade ou não da realização de atos procedimentais ou processuais durante a investigação criminal.”

Em 8 de fevereiro, Bolsonaro foi um dos alvos da Operação Tempus Veritatis, deflagrada pela PF a fim de apurar uma trama golpista para impedir a posse de Lula (PT).

Os fatos analisados pela corporação configuram, em tese, os crimes de organização criminosa, abolição violenta do Estado Democrático de Direito e golpe de Estado.

Entre outros elementos, a PF identificou uma minuta golpista a prever a prisão de Alexandre de Moraes e do decano do STF, Gilmar Mendes, além do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

Segundo um relatório da polícia, o então presidente teria determinado “ajustes” no documento, retirando os nomes de Gilmar e Pacheco e mantendo o de Moraes, além de projetar a realização de novas eleições. A minuta teria sido entregue a Bolsonaro por Filipe Martins.

Moraes também retirou o sigilo de uma reunião ministerial comandada por Bolsonaro em 5 de julho de 2022. Para os investigadores, o encontro “revela o arranjo de dinâmica golpista, no âmbito da alta cúpula do governo Bolsonaro”.

Além de Bolsonaro, a PF ouvirá outros investigados pela suposta articulação golpista na quinta-feira. São eles:

  • Valdemar Costa Neto, presidente do PL;
  • Anderson Torres, ex-ministro da Justiça;
  • Augusto Heleno, ex-ministro do Gabinete de Segurança Institucional;
  • Paulo Sérgio Nogueira, ex-ministro da Defesa;
  • Mário Fernandes, ex-chefe-substituto da Secretaria-Geral da Presidência da República;
  • Walter Braga Netto, candidato a vice de Bolsonaro em 2022;
  • Almir Garnier, ex-comandante da Marinha;
  • Tércio Arnaud, ex-assessor de Bolsonaro; e
  • Marcelo Câmara, coronel do Exército e ex-assessor de Bolsonaro.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo