Justiça

Mendonça livra Bolsonaro de investigação sobre interferência indevida no Iphan

No centro da denúncia estava a suspeita de agir para atender interesses de aliados, como o empresário Luciano Hang

O ministro do STF André Mendonça. Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF
Apoie Siga-nos no

O ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal, mandou arquivar uma notícia-crime contra o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) por interferência indevida na direção do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

A ação foi apresentada pelo senador Randolfe Rodrigues (sem partido-AP) em dezembro de 2021.

A representação acusava o ex-capitão de cometer os crimes de prevaricação e advocacia administrativa. No centro da denúncia estava a suspeita de que a nomeação de dirigentes do Iphan tivesse atendido a interesses de aliados, como o empresário Luciano Hang.

O caso veio a público após Bolsonaro afirmar, durante evento na Fiesp em dezembro de 2021, que mandou demitir funcionários do instituto que interditaram uma obra da Havan, cujo dono é Hang.

“Chegou o Iphan e interditou a obra. Liguei para o ministro da pasta e ‘que trem é esse’? Porque não sou inteligente como meus ministros. O que é Iphan? Explicaram para mim, tomei conhecimento, ripei todo mundo do Iphan. Botei outro cara lá”, disse o então presidente.

No ano passado, a Procuradoria-Geral da República se manifestou pelo arquivamento da apuração. À época, Augusto Aras argumentou que o discurso de Bolsonaro não destoava da “sua ordinária concepção de mundo com a qual conquistou o seu eleitorado”.

“[O presidente] jamais escondeu que adota uma política pública que objetiva desburocratizar as atividades empresariais, de modo que a sua conduta foi coerente, concordando-se ou não, ao exigir a mesma postura da presidente do Iphan”, acrescentou o então PGR.

Ao decidir pelo arquivamento, na última terça-feira 5, Mendonça observou que o papel do Supremo é evitar a “continuidade de investigações flagrantemente fadadas ao insucesso e ao dispêndio desnecessário de tempo e recursos públicos”.

Indicado por Bolsonaro à Corte em julho de 2021, o ministro também barrou investigações contra a família do ex-presidente pela suspeita de comprar imóveis usando dinheiro vivo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.