Justiça

Mendonça diz que fala de Gilmar Mendes sobre ‘narcomilícia evangélica’ é ‘discriminatória e preconceituosa’

Ministro, que é evangélico, afirmou que conversou com Gilmar Mendes sobre o tema

O ministro André Mendonça, do STF. Foto: Carlos Moura/SCO/STF
Apoie Siga-nos no

O ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal, respondeu nesta quarta-feira 13 as falas do também ministro Gilmar Mendes sobre uma suposta “narcomilícia evangélica” atuando no Rio de Janeiro.

Em entrevista à GloboNews, Mendes afirmou nesta segunda-feira 11 que, em uma reunião técnica do STF, um dos oradores advertiu para a existência de uma “narco-milícia evangélica”.

Segundo o ministro, seria um acordo entre narcotraficantes, milicianos e membros de uma rede evangélica. A frase foi dita enquanto ele comentava sobre a “sofisticação” do crime organizado no Brasil.

Mendonça, que é evangélico, reagiu com uma nota e afirmou que conversou com o ministro sobre o tema. Disse ainda que a fala de Gilmar é “grave, discriminatória e preconceituosa”.

Ainda conforme o ministro, Mendes reafirmou seu respeito à comunidade evangélica e disse que não houve qualquer intenção de constranger seus membros.

Mendonça completou afirmando que o segmento evangélico é o maior interessado “na apuração desses fatos”.

O ministro recebeu apoio do líder evangélico Silas Malafaia, que compartilhou a nota pública de Mendonça. “Parabéns ministro André Mendonça! Narcomiliciaevangelica uma ova!”, disparou.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo