Justiça

Lei sobre a ‘saidinha’ não retroage contra preso que já tem o benefício, reforça Mendonça

Segundo o ministro do STF, a legislação só pode ter efeito retroativo caso beneficie o réu

O ministro André Mendonça, do STF. Foto: Carlos Moura/SCO/STF
Apoie Siga-nos no

O ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal, entende que a nova lei da saída temporária para presos do regime semiaberto não pode ser aplicada de forma retroativa para quem já foi contemplado pelo benefício.

Para o magistrado, a legislação só pode retroagir caso beneficie o réu. A avaliação consta de um despacho assinado na terça-feira 28, horas antes de os parlamentares derrubarem o veto do presidente Lula (PT) que autorizava a “saidinha” para visitar a família em datas comemorativas.

O ministro analisou o caso de um detento de Minas Gerais cujo direito à saída temporária foi cassado por uma vara de execuções penais após a aprovação do novo texto.

O homem está preso por roubo com uso de arma, considerado um crime grave, e recorreu ao Tribunal de Justiça mineiro e ao Superior Tribunal de Justiça para reverter a decisão, sem sucesso.

Ao acionarem o Supremo, os advogados do detento alegaram que cassar o benefício o faria perder a vaga de “trabalho lícito e formal” que ocupava com autorização judicial.

“Tendo em vista o princípio da individualização da pena, o qual também se estende à fase executória, consistindo em inovação legislativa mais gravosa, faz-se necessária a incidência da norma vigente quando da prática do crime, somente admitida a retroatividade de uma nova legislação se mais favorável ao sentenciado“, escreveu Mendonça.

As saídas para visitas à família e atividades de retorno do convívio social foram proibidas pela nova lei, que manteve a concessão do benefício apenas para estudos externos.

Leia a decisão de André Mendonça:

mendonca

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo