Justiça

Justiça decreta prisão preventiva de detidos em encontro neonazista em SC

Grupo detido em São Pedro de Alcântara é suspeito de integrar célula neonazista interestadual

Lei para policiais civis padroniza normas da corporação a nível nacional. Foto: PJC/MT
Apoie Siga-nos no

A Justiça de Santa Catarina converteu a prisão em flagrante em preventiva de oito homens flagrados pela polícia estadual durante um encontro neonazista. O grupo foi detido na segunda-feira 14, suspeito de integrar uma célula extremista interestadual com ligações internacionais.

Os homens estavam reunidos em um sítio em São Pedro de Alcântara, na Grande Florianópolis, quando foram interpelados pela Polícia Civil.

Segundo informações da corporação, o grupo teria escolhido o município por ser a primeira colônia alemã do estado. Em depoimento, alguns dos homens confirmaram a informação, enquanto outros negaram.

Eles responderão pelos crimes de associação criminosa e racismo. No ato da prisão foram encontradas revistas, panfletos e outros objetos que remetem a ideologia supremacista fascista.

Entre os presos há um integrante de um grupo skinhead, conhecido pela intolerância e por afinamento com a extrema-direita. Os nomes dos investigados não foram revelados, no entanto, dois dos suspeitos têm envolvimento com homicídios decorrentes de intolerância. Um deles usava tornozeleira eletrônica de monitoramento após condenação por tentativa de homicídio contra judeus no Rio Grande do Sul.

Outro suspeito foi denunciado anteriormente por duplo homicídio decorrente de uma disputa entre lideranças de células neonazistas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo