Gilmar diz que Lava Jato tem “melhores publicitários do que juristas”

No Roda Viva, ministro do STF pede um combate à corrupção 'sem personalismos'

Ministro Gilmar Mendes

Ministro Gilmar Mendes

Justiça

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, voltou a criticar a operação Lava Jato e seus integrantes. Em entrevista nesta segunda-feira 7 ao programa Roda Viva, da TV Cultura, o jurista afirmou que a operação de combate à corrupção tem melhores publicitários do que juristas.

“Eu torço não só para a Lava Jato, para todas as operações, para que de fato nós continuemos combatendo a corrupção, agora sem esse personalismo, sem a necessidade, talvez, de forças-tarefa.”, disse o ministr

Gilmar citou os vazamentos feitos pelo site The Intercept Brasil, que divulgou diálogos entre membros do Ministério Público com o ex-juiz da operação, hoje ministro da Justiça, Sérgio Moro. ” Hoje tenho muito mais dúvidas do que certezas e lamento muito esse tipo de manipulação. Por exemplo, essa ideia de eu vazo isso, mas não vazo aquilo (se referindo aos áudios obtidos pela Polícia Federal de conversas entre os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff). — Essa prática toda sugere uma partidarização”, afirmou.

O ministro também criticou o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato, que tem sido acusado de atuação ilegal na condução da operação por suposto uso de provas ilegais e vazamentos à imprensa, além de conversas sobre a estratégia da operação com o então juiz Sergio Moro.

“É preciso que de fato essas pessoas (procuradores) cumpram a lei, sejam servos da lei, que não exorbitem”, disse o ministro. “O Ministério Público assumiu feições soberanas, e isso é um problema.”

Lula

Ao ser questionado sobre o ex-presidente Lula, Gilmar evitou responder se repetiria a suspensão da nomeação dele como ministro da Casa Civil, feita com base em “desvio de finalidade” no auge da tensão pré-impeachment, diante da revelação de que havia outros diálogos gravados e não revelados na época.

“Lamento muito esse tipo de manipulação do tipo eu vazo isso e depois não vazo aqui”, disse Gilmar. “A república dos vazamentos tem que se encerrar”, completou.

Ele afirmou que Lula não tem o direito de negar a progressão de regime para o semiaberto, mas que também estranha a atitude dos procuradores de fazer esse pedido pois “nunca foram legalistas”.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem