Justiça

Delatado pode acessar as gravações do acordo de colaboração premiada, decide o STJ

O objetivo, segundo a Corte, é verificar a legalidade e a regularidade do acordo de colaboração, além da voluntariedade do delator ao assiná-lo

Foto: Gustavo Lima/STJ
Apoie Siga-nos no

A 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça decidiu que uma pessoa delatada em uma colaboração premiada tem o dieito de acessar a gravação das negociações do acordo e da audiência de homologação por um juiz.

O objetivo, segundo a Corte, é verificar a legalidade e a regularidade do acordo de colaboração, além da voluntariedade do delator ao assiná-lo.

No caso concreto, o STJ negou um recurso em que o Ministério Público Federal tentava impedir o acesso de um delatado às gravações.

Segundo o relator, ministro Rogerio Schietti Cruz, julgamentos recentes do Supremo Tribunal Federal concluíram que o acordo de colaboração pode impactar gravemente a esfera jurídica do delatado, que, por isso, pode questionar um eventual desrepeito à observância da legalidade.

“Não é apenas o conteúdo da prova colhida que interfere na esfera jurídica do acusado, visto que esse conteúdo só pode ser valorado se a forma pela qual foi obtido for lícita”, sustentou Schietti. “Daí a impropriedade de se sustentar que são apenas as provas fornecidas pelo delator que atingem o delatado, e não o acordo em si, porquanto foi só por meio do acordo – o qual deve respeitar a lei – que as provas foram obtidas.”

Segundo o ministro, a lei a determinar que o juiz deverá “ouvir sigilosamente o colaborador” não estabelece uma regra perpétua sobre a restrição de publicidade do ato. Assim, em sua avaliação, trata-se apenas de preservar pontualmente aquele momento da investigação, em que o sigilo é necessário para assegurar a eficácia de diligências em andamento.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo