Justiça

CNJ investigará o comportamento de juíza de SC que gritou com testemunha

A magistrada tem 15 dias para apresentar sua defesa prévia

Cena da audiência em que a juíza gritou com uma testemunha — Foto: Reprodução / Redes sociais
Apoie Siga-nos no

O Conselho Nacional de Justiça informou nesta quarta-feira 29 que apurará a conduta da juíza substituta Kismara Brustolin, da Vara de Trabalho de Xanxerê (SC), que gritou com uma testemunha em uma audiência.

“A postura da juíza durante a audiência pode ter violado deveres funcionais da magistratura, dentre os quais o dever de urbanidade para com os advogados, partes e testemunhas”, ponderou o corregedor-nacional de Justiça, Luis Felipe Salomão, que assina a decisão.

A reclamação disciplinar contra a magistrada deverá determinar se houve alguma violação de deveres funcionais do cargo. 

Brustolin tem 15 dias para apresentar sua defesa prévia. Posteriormente, o caso pode ser levado ao plenário do Conselho Nacional de Justiça para decidir sobre a instauração de um processo administrativo disciplinar.

Entenda o caso 

Em audiência virtual em 14 de novembro, na Vara do Trabalho de Xanxerê, a juíza repreendeu, aos gritos, uma testemunha por não chamá-la de “vossa excelência”. 

“Eu chamei sua atenção e você tem que responder assim: ‘o que a senhora deseja, excelência?’”, reclamou.

“Responda, por favor! Repete!”, insistiu a juíza.

Na sequência, a testemunha perguntou se seria obrigada a repetir o que a juíza disse. A magistrada, então, respondeu que não, mas alertou que, caso não o fizesse, seu testemunho seria desconsiderado. Com a negativa do homem, a juíza ordenou a retirada da testemunha da audiência.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.