Esporte

Caso Robinho: MPF defende homologação da sentença italiana e o cumprimento da pena no Brasil

Atleta foi condenado a 9 anos de prisão por estupro coletivo contra uma jovem em Milão

O jogador de futebol Robinho. Foto: Rafael Ribeiro/CBF
Apoie Siga-nos no

O Ministério Público Federal (MPF) defendeu, em manifestação ao Superior Tribunal de Justiça, a homologação da sentença da Justiça italiana, que condenou o ex-jogador Robinho a 9 anos de prisão por estupro coletivo de uma jovem em uma boate de Milão, em 2013. O órgão também se posicional favoravelmente ao cumprimento da pena imposta no Brasil. 

A Itália havia solicitado a extradição de Robinho. A Constituição brasileira, contudo, não prevê a possibilidade de extradição de cidadãos natos. Por esse motivo, o país europeu decidiu requerer a transferência à sentença do ex-jogador. Dessa forma, o tribunal vai analisar se a condenação pode ser reconhecida e executada no Brasil.

Segundo o MPF, todos os pressupostos legais e regimentais adotados pelo Brasil para o prosseguimento da transferência de execução penal foram cumpridos. 

O posicionamento sustentado pelo subprocurador-geral da República Carlos Frederico dos Santos é de que o Estado brasileiro possa promover a execução penal, visto que não é possível a extradição do condenado. 

Caso o Brasil não cumpra essa obrigação, no entendimento da PGR, o Estado arrisca permitir a impunidade de um crime cuja materialidade e autoria foram reconhecidas internacionalmente.

“A jurisprudência mostra-se consentânea com um sistema jurídico brasileiro progressivamente alinhado com a tendência global de países superarem paradigmas tradicionais de jurisdição e soberania, a fim de cooperarem para combater a criminalidade a nível internacional e promover uma administração mais eficaz da justiça”, ressalta o subprocurador-geral da República.

A defesa do ex-jogador alega que a colheita de provas no processo estrangeiro teria ocorrido de forma não condizente com as regras brasileiras.

Na avaliação de Carlos Frederico, no entanto, a norma atual supera o dispositivo previsto em redação anterior do Código Penal, pautado numa visão obsoleta de soberania. Nesse sentido, o procurador pontua que os argumentos da defesa não passam de mera especulação e os procedimentos aplicáveis ao caso são aqueles previstos no ordenamento jurídico italiano.

Após manifestação da defesa, o caso será levado a julgamento pelo Superior Tribunal de Justiça. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.