Justiça

Caso Marielle Franco: Escritório do Crime é alvo de operação no Rio

“Não tenho nada com a morte da Marielle”, reagiu um dos alvos no momento da prisão

Foto: Reprodução Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

Na manhã desta terça-feira 30, o Ministério Público e a Polícia Civil cumprem, no Rio de Janeiro, quatro mandados de prisão e 20 de busca e apreensão contra o Escritório do Crime, grupo investigado pelos assassinatos de Marielle Franco e Anderson Gomes.

O principal alvo, segundo o jornal O Globo, é  Leonardo Gouvea da Silva, o Mad, substituto do ex-capitão do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), Adriano Magalhães da Nóbrega, à frente da organização criminosa.

“Não tenho nada com a morte da Marielle”, reagiu Mad assim que o delegado Daniel Rosa, da Delegacia de Homicídios, anunciou a sua prisão.

De acordo com o jornal carioca, Mad e seu grupo são acusados do assassinato do empresário Marcelo Diotti da Mata, no dia 14 de março de 2018.  A data do homicídio coincide com a dos assassinatos de Marielle e Anderson. Os dois crimes ocorreram à noite.

Pistoleiros da quadrilha praticam execuções por encomenda há mais de 10 anos, apontam as investigações. Os crimes foram mantido mesmo após morte de Adriano.

 Mad, que foi preso na manhã desta terça. Foto: Reprodução TV Globo

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.