Internacional

Aprovação

Popularidade de Obama cresce nos Estados Unidos após morte de Osama Bin Laden

por Opera Mundi — publicado 04/05/2011 15h21, última modificação 04/05/2011 20h27
Após enfrentar críticas de diversos setores da sociedade, o presidente norte-americano agora atinge o nível mais alto de sua aprovação desde 2009. Do site Opera Mundi

Thaís Romanelli, do Opera Mundi

A morte de Osama Bin Laden influenciou a popularidade do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que aumentou segundo apontaram pesquisas de opinião feitas após a operação que matou o terrorista saudita, nesta segunda-feira (02/05). Após enfrentar críticas de diversos setores, Obama agora atinge o nível mais alto de sua aprovação desde 2009.

De acordo com uma pesquisa divulgada nesta quarta-feira (04/05) pelo jornal The New York Times em parceria com a rede norte-americana CBS, 57%, dos norte-americanos disseram aprovar o desempenho do líder, percentual 11 pontos mais alto do que o registrado em pesquisas realizadas antes da operação.

Na terça-feira (03/05), outra pesquisa do Centro Pew e do jornal Washington Post havia divulgado que a popularidade de Obama subiu nove pontos e agora está em 56%, contra 47% registrada em abril. Já a CNN apontou que a aprovação de Obama chega agora a 52%, quatro pontos a mais que um mês atrás.

A alta nas pesquisas é similar a registrada pelo ex-presidente do país George W. Bush em 2003, após a captura do ex-presidente iraquiano Saddam Hussein, quando sua popularidade subiu seis pontos.

Questionados pela pesquisa do Washington Post sobre o mérito do presidente pela morte de Bin Laden em Abbottabad, nas proximidades de Islamabad, no domingo (01/05), mais de três quartos dos entrevistados consideram que Obama merece elogios pela operação.

Entre os republicanos, 61% concede a Obama ao menos parte do mérito, mas só 17% atribui "muito" mérito. Já entre os simpatizantes, 81% consideram que o ex-presidente George W. Bush (2001-2009) merece ao menos receber parte dos créditos pela morte do inimigo público número um dos EUA, uma opinião que compartilham 35% dos democratas.

Com relação à ocupação americana no Afeganistão, 60% dos entrevistados pelo NYT disseram que a morte do terrorista não encerra a missão dos Estados Unidos no país. Já segundo o Washington Post, a aprovação supera 60% - 17 pontos mais que na consulta prévia -; e sua estratégia contra o terrorismo alcança 69% de aceitação, o máximo de seu mandato, que iniciou em janeiro de 2009. A CNN, por sua vez, situa a aprovação da gestão de Obama contra o terrorismo em 67% e de 58% na guerra contra o Afeganistão.

No entanto, a maioria dos norte-americanos acredita que com a morte de Bin Laden o risco de ataques aos EUA deve aumentar. Segundo o NYT, apenas 16% afirmaram que se sentem mais seguros sem o líder da Al Qaeda, mesmo assim, 54% dos entrevistados aprovam a forma como o presidente tem lidado com os assuntos internacionais.

Assuntos internos
Entretanto, com relação às questões internas do país, a aprovação de Obama já não é alta e sequer aumentou nos últimos meses. De acordo com os dados do NYT, mais de 50% disseram que desaprovam o desempenho do presidente nas questões domésticas. Já em relação à economia, o Washington Post registrou aprovação de apenas 40% na gestão.

A pesquisa divulgada nesta quarta-feira foi realizada por telefone nos dias 2 e 3 de maio, com 532 pessoas, e tem margem de erro de 4 pontos percentuais para cima ou para baixo. A do dia anterior, foi realizada na segunda-feira à noite com 654 adultos, com margem de erro de 4,5 pontos. Já a realizada pela CNN, tem margem de erro de 3,5 pontos percentuais.

registrado em: Internacional, Osama bin Laden