Coronel Siqueira: criando filhos patriotas

Vi um vídeo onde o 04 brincava com sua mãe. Minha primeira reação foi de choque e horror, mas me lembrei quem ele era, e então achei legal

Coronel Siqueira: criando filhos patriotas

Humor

Na minha época, a criação das crianças era muito diferente da de hoje. Eu criei meus filhos com todo amor e violência necessários para que se tornassem bons patriotas – um beijinho aqui, um choque elétrico ali, um body shaming acolá… Ainda me lembro de como ficavam felizes quando eu lia as historinhas do Tio Ustra para eles antes na hora de dormir… O resultado foi excelente… Meus quatro filhos – Franco, Ítalo, Germano e Eugenia estudaram, casaram-se, portam armas e vivem por aí pregando a palavra do grande messias Bolsonaro, entre filas duplas, vacinas contrabandeadas e outras aventuras do cidadão de bem.

Tenho certeza que o presidente também tem orgulho de seus filhos. São realmente pessoas admiráveis.

Flavinho, o mais velho e reservado, tem tino para comércio. Com um pequeno quiosque de chocolates, fez uma fortuna considerável. É a prova viva da meritocracia e do esforço: se você vender um trilhão de bombons por dia durante quatrocentos anos consegue comprar sua própria mansão!

Carluxo, o segundo filho, é o mais zueiro. Parece ser craque no mundo dos computadores e do zapzap, comandando a estrutura de comunicação do governo, também conhecida entre os detratores como “Gabinete do Ódio”. Tem um rosto sereno e uma fala clara e concisa.

Eduardo, o terceiro, é o mais descolado e sociável. Amigo de Steve Bannon e Trump, é um rapaz multitarefas — frita hambúrguer, invade o Capitólio, xinga opositores e volta e meia ameaça um golpe de estado. É pau pra toda obra (ou pauzinho, segundo as más línguas)!

Entendi, finalmente, que os tempos mudaram e que uma cuspida na cara, hoje em dia, é sinal de alegria e descontração!

Mas a novidade mesmo é o 04, Jairzinho Bolsonaro, o garoto novo do pedaço. Foi chegando discreto, como quem não quer nada, mas já está garantindo seu lugar. Mesmo sem cargo público, é visto por aí negociando com empresas e facilitando transações privadas com o governo… Chegou com tantas ganas de vencer que aos 22 anos já está sendo investigado pela Polícia Federal. Um prodígio!

Essa semana vi um vídeo onde ele brincava alegremente com sua mãe, uma senhora distinta que já teve o privilégio de ser esposa do nosso führer.

Quando eu menos esperava, ele foi e deu uma cusparada na cara da própria mãe!

Minha primeira reação foi de choque e horror, mas me lembrei quem ele era, e então achei legal e divertido. Para tirar a dúvida, fui me consultar com o grande oráculo pós-moderno – o zapzap. Entrei em um grupo bolsonarista e perguntei o que o pessoal achava do ocorrido. Tive várias respostas:

— Ah, o moleque é zueiro demais! Achei muito top!
— É apenas um menino. Não dá pra julgar uma criança brincando.

— Melhor uma cuspida que um tiro!

— Se tem Bolsonaro no sobrenome, não tem problema!
— E o Lulinha? Por que ninguém investiga se ele cuspiu na cara do pai?

— E os trinta trilhões de milhões de libras que o PT roubou?

Entendi, finalmente, que os tempos mudaram e que uma cuspida na cara, hoje em dia, é sinal de alegria e descontração! O que antes era considerado um horror, hoje é apenas uma saudável forma de brincar! Posso ser velho, mas tento me atualizar com os hábitos da moçada!

Ainda refletindo sobre isso, fui comprar um cafezinho na padaria pra tomar com minha cloroquina da tarde. Por estar sem máscara, fui parado por um policial na rua:

– Senhor, estamos numa pandemia. O uso da máscara é obrigatório!

Como eu não tinha máscara no bolso, minha única saída era ser simpático com ele… Não tive dúvidas: Mirei no meio de sua face e tasquei-lhe uma cusparada!!!

A reação não foi bem o que eu esperava. Achei que ele ia brincar de volta, mas na verdade ele pegou o cassetete e bateu com toda minha força nas minhas costas. Foi um golpe só, certeiro, que me fez cair imediatamente, urrando de dor.

No momento estou no hospital, com três costelas quebradas. Ainda tô tentando fazer amizade com o pessoal aqui, mas o médico e a enfermeira também não curtiram minhas cuspidas.

Certamente são cubanos infiltrados.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Cidadão de bem, patriota, viúvo, cristão, conservador, hétero convicto, de ascendência europeia. Adoro lasanha e frutas cristalizadas.

Compartilhar postagem