Caso Belarus: EUA condenam exatamente o que fazem, diz Greenwald

Interrupção de voo por Lukashenko repete ato de EUA e Europa contra Edward Snowden, diz o jornalista

Glenn Greenwald comenta ato de Lukashenko em relação a jornalista na Bielorrússia. Foto: Reprodução

Glenn Greenwald comenta ato de Lukashenko em relação a jornalista na Bielorrússia. Foto: Reprodução

Glenn Greenwald

“Os Estados Unidos expressam indignação e condenam exatamente as mesmas coisas que eles fazem”, afirmou o jornalista Glenn Greenwald, ao analisar a reação da Casa Branca à decisão do presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, de interromper o trajeto de um avião e prender um jornalista opositor em Minsk.

 

 

A aeronave, um Boeing 737-800, saía da Grécia em direção à Lituânia no domingo 23, mas recebeu uma ordem de autoridades bielorrussas para que fizesse um pouso de emergência na capital do país governado por Lukashenko. Na ocasião, o Estado bielorrusso prendeu o jornalista Roman Protasevich, que era procurado pelo líder europeu.

Joe Biden, novo chefe da Casa Branca, chamou o incidente de “ultrajante” e a União Europeia impôs sanções à Bielorrússia, com restrições do uso do espaço aéreo do bloco de 27 países pelas companhias bielorrussas.

Para Glenn Greenwald, o ato de Lukashenko, de fato, representou um crime internacional contra os direitos humanos. No entanto, Estados Unidos e Europa, para ele, “não têm credibilidade” para questionar a Bielorrússia.

Em 2013, lembra ele, os estadunidenses e europeus se uniram para fazer “exatamente o mesmo” contra Edward Snowden e Evo Morales. Na época, Snowden era reivindicado por Washington após a liberação de informações sigilosas do serviço de inteligência.

Snowden estava em Hong Kong, na China, em busca de asilo em outro país, quando recebeu um aceno da Bolívia. O analista de sistemas então obteve autorização de Hong Kong para fazer um voo a Moscou, que seguiria para para Cuba e depois Bolívia. Após Snowden chegar a Moscou, no entanto, os Estados Unidos suspenderam o seu passaporte. Snowden, então, ficou sob asilo temporário na Rússia.

Evo Morales, por sua vez, teve um voo interrompido pela União Europeia no mesmo ano. Seu avião, pousado à força na Áustria, foi invadido por autoridades que estavam à procura de Snowden. Se, de fato, Snowden estivesse lá, os EUA e a Europa estariam desrespeitando uma decisão soberana da Bolívia de ceder asilo. Porém, Snowden não estava – e o bloco ocidental acabou admitindo essa “vergonha”, conforme categoriza Greenwald.

Confira a análise na íntegra a seguir, no canal de CartaCapital no YouTube.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem