Esporte

Luis Rubiales renuncia à presidência da Federação Espanhola de Futebol

‘Vou fazer isso, sim, porque não quero continuar meu trabalho’, disse o cartola no programa britânico Piers Morgan Uncensored

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

O presidente da Federação Espanhola de Futebol, Luis Rubiales, anunciou sua renúncia ao cargo neste domingo 10, após o escândalo pelo beijo não consentido na jogadora Jenni Hermoso na comemoração do título da Espanha na Copa do Mundo feminina.

“Vou fazer isso [renunciar], sim, porque não quero continuar meu trabalho”, disse Rubiales no programa de televisão britânico Piers Morgan Uncensored.

A imprensa espanhola repercutiu pouco depois uma carta na qual o dirigente afirma que já enviou oficialmente seu pedido de demissão.

“Transmiti às 21h30 ao presidente em exercício, D. Pedro Rocha, minha renúncia ao cargo de presidente da RFEF. Também informei que fiz o mesmo com meu cargo na Uefa, para que meu lugar na vice-presidência possa ser preenchido”, escreveu Rubiales no texto.

“Após a rápida suspensão imposta pela Fifa, além dos demais processos abertos contra mim, é evidente que não poderei voltar ao meu cargo. Insistir em ficar esperando e me agarrar a isso não vai trazer nada positivo, nem à Federação, nem ao futebol espanhol. Entre outras coisas, porque existem poderes de fato que impediriam a minha volta”, continua.

Rubiales insiste que, com sua saída, quer contribuir para a tranquilidade do futebol espanhol e não tirar força da candidatura conjunta de Espanha, Portugal e Marrocos para sediar a Copa do Mundo de 2030.

“Não quero que o futebol espanhol seja prejudicado por toda esta campanha tão desproporcional e, sobretudo, tomo esta decisão depois de ter me certificado de que minha saída contribuirá para a estabilidade que vai permitir que tanto a Europa quanto a África sigam unidas no sonho de 2030, que vai trazer ao nosso país o maior evento do mundo”, afirma.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo