Esporte

‘Em nenhum momento consenti no beijo’, garante Jenni Hermoso

“Quero esclarecer que tal como foi visto nas imagens, em nenhuma hipótese consenti no beijo dado”, afirmou a jogadora após questionamentos

Jenni Hermoso. Foto: LAPRESSE
Apoie Siga-nos no

A jogadora da seleção espanhola Jenni Hermoso garantiu, nesta sexta-feira (25), que “em nenhum momento” consentiu no beijo do presidente da federação espanhola de futebol, Luis Rubiales, disse ela em um comunicado assinado em conjunto com suas companheiras, campeãs mundiais, que ameaçam não voltar à seleção se o dirigente não renunciar.

“Quero esclarecer que tal como foi visto nas imagens, em nenhuma hipótese consenti no beijo dado” por Rubiales, afirmou a jogadora em um comunicado publicado pelo sindicato Futpro na plataforma X, antigo Twitter, e assinado por várias jogadoras da seleção.

“Não tolero que minha palavra seja questionada e muito menos que sejam inventadas palavras que eu não disse”, acrescentou Hermoso no comunicado.

A nota do Futpro é assinado por quase 80 jogadoras e ex-jogadoras de futebol, incluindo as 23 campeãs mundiais.

Hermoso reagiu desta forma às palavras do presidente da Federação Espanhola (RFEF), Luis Rubiales, que na manhã desta sexta-feira garantiu durante uma Assembleia Extraordinária que o beijo foi “espontâneo, mútuo, eufórico e consentido”.

No domingo, o presidente da federação causou surpresa na cerimônia de entrega de medalhas da Copa do Mundo, ao segurar a cabeça da jogadora e beijá-la na boca, depois de a Espanha derrotar a Inglaterra por 1 a 0 na final.

As imagens rodaram o mundo junto com as de seus gestos no palco segurando os genitais, a poucos metros da Rainha Letizia.

“As jogadoras da seleção principal, recém sagradas campeãs mundiais, em apoio a Jennifer Hermoso, querem manifestar a sua firme e contundente condenação aos comportamentos que violaram a dignidade das mulheres”, afirma o comunicado do Futpro.

As campeãs mundiais “esperam respostas contundentes dos poderes públicos para que atitudes não fiquem impunes” como as ocorridas na final da Copa do Mundo.

As signatárias do comunicado pedem “verdadeiras mudanças estruturais que ajudem a seleção principal a seguir crescendo” e ameaçam não voltar a vestir a camisa da ‘Roja’ se não houver mudanças na cúpula da federação.

“Todas as jogadoras que assinam esta nota não voltarão a uma convocação se os atuais dirigentes continuarem”, afirmou o comunicado.

“Nos enche de tristeza que um acontecimento tão inaceitável consiga manchar o maior sucesso esportivo do futebol feminino espanhol”, conclui o texto.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo