Esporte

CBF anuncia retorno do Brasileirão na primeira semana de junho

Grêmio e Internacional, os rivais gaúchos, iniciam campanha pela reconstrução do RS antes da retomada dos jogos

Arena do Grêmio, em Porto Alegre, alagada pelas chuvas. Foto: Carlos Fabal/AFP
Apoie Siga-nos no

A Confederação Brasileira de Futebol anunciou, nesta terça-feira 21, a retomada do Campeonato Brasileiro, já no primeiro fim de semana de junho. 

As rodadas 7 e 8 haviam sido adiadas em decorrência das enchentes que atingem o Rio Grande do Sul. 

O Grêmio será o primeiro time gaúcho a jogar longe de sua casa. O tricolor enfrenta o Bragantino pela 7ª rodada do campeonato, no estádio Couto Pereira, do Coritiba, no dia 1º de junho.

Tanto a Arena, como o Beira-Rio, estádio do Internacional, em Porto Alegre, ficaram alagados devido à cheia histórica do Guaíba.

Grêmio e Inter se unem

A dupla grenal anunciou, também nesta terça-feira, uma campanha em conjunto para viabilizar a reconstrução do Rio Grande do Sul.

A ação “Jogando Junto – Pela Reconstrução do RS” visa arrecadar doações de empresas em troca de publicidade pelos clubes de futebol.

A campanha leva a cor roxa, representando a união do azul, do Grêmio, e vermelho, do Internacional.

O anúncio foi feito pelos dirigentes dos times gaúchos, no Centro Administrativo de Contingência do Governo do RS, com a presença de secretários estaduais e do governador do Estado, Eduardo Leite (PSDB). 

“Pensando na reconstrução, Grêmio e Inter assumiram esse desafio. Foram também duramente afetados, por isso criamos esse ineditismo em unir forças em prol do RS”, afirmou Márcio Ramos, CEO do Grêmio.

Até o momento, já foram arrecadados 28,4 milhões de reais pela campanha. 

Outros times brasileiros também foram convocados para participar do projeto e aumentar a visibilidade da causa.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo