Esporte

Brasil será sede da Copa do Mundo Feminina de 2027

Com a disputa em casa, a seleção brasileira sonha em conquistar sua primeira Copa do Mundo feminina

Gianni Infantino, presidente da Fifa, anuncia a vitória do Brasil na disputa para sediar a Copa do Mundo feminina. Foto: Manan VATSYAYANA / AFP
Apoie Siga-nos no

O Brasil foi escolhido nesta sexta-feira (17) como sede da Copa do Mundo Feminina de 2027, superando a candidatura conjunta da Bélgica, Países Baixos e Alemanha na votação do Congresso anual da Fifa, que acontece na Tailândia.

Após o sucesso da edição de 2023 na Austrália e na Nova Zelândia, que arrecadou um recorde de US$ 570 milhões (R$ 2,9 bilhões) em receita comercial, a Fifa decidiu continuar sua expansão do futebol feminino, levando o torneio para a América do Sul pela primeira vez.

Os delegados da entidade que rege o futebol mundial escolheram, por 119 votos a 78, atribuir a 10ª edição do torneio para o Brasil, provocando celebrações eufóricas entre os membros da delegação brasileira na sala de conferências de Bangcoc, capital da Tailândia.

O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ednaldo Rodrigues, afirmou que a decisão da Fifa é uma “vitória para o futebol latino-americano e para o futebol feminino na América Latina”.

Antes da votação dos delegados da Fifa, o Brasil já havia superado a candidatura conjunta de Bélgica, Países Baixos e Alemanha na avaliação técnica, recebendo nota 4 (de 1 a 5), contra 3,7 da proposta europeia.

Os inspetores da entidade destacaram o “grande impacto do futebol feminino na região” com a disputa do Mundial feminino na América Latina.

“Parabéns ao Brasil. Vamos agora organizar a melhor Copa do Mundo da história no Brasil”, declarou o presidente da Fifa, Gianni Infantino, após o anúncio da vitória da candidatura brasileira.

A 10ª Copa do Mundo Feminina da história terá 10 sedes, com os estádios que foram utilizados na Copa do Mundo masculina de 2014: Beira-Rio (Porto Alegre), Arena Corinthians (São Paulo), Maracanã (Rio de Janeiro), Mineirão (Belo Horizonte), Fonte Nova (Salvador), Arena Pernambuco (Recife), Arena Castelão (Fortaleza), Arena Amazonas (Manaus), Arena Pantanal (Cuiabá) e Mané Garrincha (Brasília).

Com a disputa em casa, a seleção brasileira sonha em conquistar sua primeira Copa do Mundo feminina. Na edição de 2023, o Brasil foi eliminado na fase de grupos.

O torneio de 2023 acabou com o temor de que o aumento de número de seleções de 24 para 32 afetaria o nível da competição. Mais de 1,4 milhão de torcedores compareceram aos estádios da Austrália e Nova Zelândia.

A única nota amarga veio depois da final em Sydney, na qual a Espanha derrotou a Inglaterra por 1-0. O então presidente da Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF), Luis Rubiales, provocou indignação ao beijar à força a jogadora Jenni Hermoso durante a cerimônia de premiação e agora enfrenta um processo por agressão sexual.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo