Entrevistas

O bolsonarismo já não é tão forte no Rio Grande do Sul, diz pré-candidato do PT

Para Edegar Pretto, que disputará o governo do estado, o antipetismo ‘é página virada’. ‘O Lula não fará menos que 40% dos votos aqui’, aposta

Foto: Reprodução redes sociais
Foto: Reprodução redes sociais
Apoie Siga-nos no

O pré-candidato do PT ao governo do Rio Grande do Sul, Edegar Pretto, afirmou nesta sexta-feira 13 que a força política do presidente Jair Bolsonaro (PL) já não é tão forte no estado como foi na eleição de 2018. Por outro lado, o antipetismo, na sua avaliação, “já é página virada”.

Na última eleição presidencial, o candidato do PT, Fernando Haddad, teve 36,16% dos votos no estado no segundo turno. Já Bolsonaro somou 63,24% dos eleitores gaúchos.

“O bolsonarismo tem a sua força política, mas não é mais o que era e não será o que é”, declarou Pretto em entrevista a CartaCapital. “Viramos a página do Rio Grande do Sul ser um estado bolsonarista. No máximo, somos polarizados como sempre fomos”.

Na conversa, o petista apontou a presença do ex-presidente Lula (PT) na eleição deste ano como fator determinante para a diminuição da rejeição ao partido no estado.

“O Lula não fará menos que 40% dos votos aqui no Rio Grande do Sul no primeiro turno”, apostou Pretto. “O antipetismo também é página virada. Colocaram na cabeça das pessoas que bastaria tirar o PT do poder que os problemas seriam resolvidos. Muitos acreditaram, mas estão se dando conta que foi uma grande cilada”.

O pré-candidato, que tem uma aliança formada com PCdoB e o PV por conta da federação partidária, revelou que pretende ter no seu palanque o PSB, o PSOL e o PDT. O Rio Grande do Sul é um dos estados, junto com Espírito Santo e São Paulo, em que a aliança nacional entre PT e PSB não refletiu na disputa local.

“Se depender do PT, vamos formar essa frente já no primeiro turno”, contou Pretto. “Ainda há a possibilidade de aliança, pois tem uma predisposição pela unidade na base dos partidos. Uma chapa com PT, PDT, PSB, PSOL, PCdoB e PV seria a ideal. É a frente dos sonhos”.

No estado, o PSB pretender lançar Beto Albuquerque na disputa. “O PT quer se reconhecido pelo tamanho que tem. Não podemos nos diminuir para entrar em uma coligação mesmo sabendo que é necessária a união”, afirmou o pré-candidato.

O petista aposta que a polarização entre Lula e Bolsonaro na eleição presidencial será repetida no estado. Há dois pré-candidatos que podem ter o apoio do ex-capitão: o ex-ministro Onyx Lorenzoni (PL) e o senador Luis Carlos Heinze (PP). Para ele, a renúncia do ex-governador Eduardo Leite (PSDB) e a promessa de não disputar a reeleição deixou a direita dividida no Rio Grande do Sul.

Assista a íntegra:

Alisson Matos

Alisson Matos Editor do site de CartaCapital. Twitter: Alisson_Matos

Tags: , , , , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.