SP: Prefeitura quer retomar aulas presenciais em 4 de fevereiro

Decisão, no entanto, ainda dependerá de autorização da área da Saúde

O prefeito Bruno Covas (PSDB). Foto: Governo do Estado de São Paulo

O prefeito Bruno Covas (PSDB). Foto: Governo do Estado de São Paulo

Educação

A gestão Bruno Covas (PSDB) anunciou, nesta quarta-feira 16, a expectativa de retomar as aulas presenciais na rede municipal de São Paulo a partir do dia 4 de fevereiro, momento em que as escolas já estariam preparadas para receber os estudantes de volta. A decisão, no entanto, ainda dependerá de autorização da área da Saúde.

 

 

“As escolas estão preparadas, os protocolos estão aplicados e aguardamos a autorização da Vigilância Sanitária para retomarmos as aulas de forma presencial no dia 4 de fevereiro, se a Saúde entender ser seguro”, afirmou o secretário municipal de Educação, Bruno Caetano. “As aulas estão programadas para o próximo ano e o calendário já foi publicado”, acrescentou.

Em novembro, diante do aumento de casos e mortes em decorrência do novo coronavírus, o prefeito Bruno Covas recuou com a flexibilização das aulas presenciais para o Ensino Fundamental. As atividades escolares presenciais estão mantidas apenas para os alunos do Ensino Médio. Para as etapas de Educação Infantil e Ensino Fundamental estão autorizadas somente atividades extracurriculares, como dança, línguas, reforço e acolhimento.

O secretário também afirmou que a Prefeitura entregará, na próxima semana, 10 mil tablets para alunos da rede. Para os demais estudantes, a previsão de entrega é até fevereiro do próximo ano. O total de alunos matriculados na rede municipal de São Paulo chega a 740.215, segundo dados do Censo Escolar.

A Prefeitura ainda anunciou um benefício de 387,10 reais para cada aluno da rede, a fim de que as famílias possam utilizar a quantia como subsídio para compra de uniformes e materiais escolares, em vez de os produtos serem fornecidos diretamente pela administração municipal. O objetivo, segundo Bruno Covas, é promover o reaquecimento da economia e a reativação do comércio local. O benefício seria compatível com a compra de cinco camisetas e cinco pares de meia, além de uma jaqueta, blusão, calça, bermuda e par de tênis.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem