SP antecipa recesso e suspende aulas presenciais nas escolas estaduais

A medida é válida para o período de 15 a 28 de março, quando os estudantes não terão atividades obrigatórias

Créditos: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Créditos: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Educação

O governo de São Paulo anunciou, nesta quinta-feira 11, a suspensão das aulas presenciais nas escolas estaduais na fase emergencial de contenção da pandemia. A alternativa foi antecipar os recessos escolares previstos para os meses de abril e outubro para o período de 15 a 28 de março, quando os estudantes não terão atividades obrigatórias.

 

 

Segundo anunciou o secretário de Educação, Rossieli Soares, as escolas estaduais estarão abertas apenas para alimentação, distribuição de materiais e chips aos estudantes, com agendamento prévio.

“A recomendação é para que todas as atividades nas escolas sejam reduzidas ao mínimo necessário para diminuir a circulação de pessoas”, disse Rossieli. Às escolas privadas e municipais também foi dada a orientação de que antecipem as férias do meio do ano para reduzir a circulação.

Fase emergencial

A partir da segunda-feira 15, o estado entra na chamada ‘fase emergencial’ do plano de enfrentamento à doença, com duração mínima de 15 dias. A gestão de João Doria (PSDB) decidiu suspender as aulas presenciais nas escolas estaduais, fechar templos religiosos e interromper o Campeonato Paulista de Futebol.

A fase emergencial aumenta as medidas restritivas em 14 atividades. Além disso, estão proibidos serviços de retirada (take-away) de todos os setores; o funcionamento de lojas de materiais de construção; celebrações religiosas coletivas; e atividades esportivas coletivas.

Haverá, ainda, um toque de recolher entre 20h e 5h e a proibição do uso de praias e parques.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem