Educação

Sindicatos de professores de São Paulo entram na Justiça contra volta às aulas

Na quarta-feira, o governo Doria publicou regras para a retomada gradual a partir de 8 de setembro, com adicional a professores

Apoie Siga-nos no

Sindicatos de professores de São Paulo entraram na Justiça contra a volta às aulas presenciais no Estado durante a pandemia de coronavírus.

A ação civil pública é movida pela Federação dos Professores do Estado de São Paulo (Fepesp), Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) e pelo Centro do Professorado Paulista (CPP).

As entidades consideram prematuro o retorno às unidades escolares e alegam que o plano estadual não oferece segurança aos estudantes, professores e demais servidores da educação.

Em agosto, as entidades recorreram ao Ministério Público pautando a mesma questão.

Na quarta-feira 2, o estado publicou as regras para o retorno às atividades de maneira gradual já a partir de 8 de setembro.

Ficam autorizadas a reabrir as escolas públicas e particulares que estiverem em regiões que se mantiveram na fase amarela do Plano São Paulo nos últimos 28 dias.

A partir da data, as escolas podem funcionar com atividades de reforço e recuperação da aprendizagem; acolhimento emocional; orientação de estudos e tutoria pedagógica; plantão de dúvidas; avaliação diagnóstica e formativa; atividades esportivas e culturais.

Também está previsto o uso da infraestrutura de tecnologia da escola para estudo e acompanhamento de atividades escolares não presenciais.

O governo anunciou ainda o pagamento de adicional a professores que toparem pegar aulas a mais presenciais nas unidades, para além das que ministram no ensino remoto. O governador João Doria sinalizou o retorno compulsório da rede a partir de 7 de outubro.

Algumas cidades decidiram não retornar às aulas este ano

Ao menos cinco cidades da Grande São Paulo e do ABC paulista já decidiram não retomar o ensino presencial neste ano, dentre elas, Vargem Grande Paulista, Santo André, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo