Educação

Secretaria de Educação do Paraná ordena recolhimento de livro ‘O Avesso da Pele’

Dias antes, a obra do autor Jeferson Tenório, que tem como tema central o racismo, foi alvo de pedido de censura no Rio Grande do Sul

Créditos: Foto: Carlos Macedo / Divulgação e Divulgação
Apoie Siga-nos no

O romance O Avesso da Pele voltou a ser alvo de tentativas de censura, agora, por parte da Secretaria de Educação do Paraná.

Na segunda-feira 4, a pasta encaminhou um ofício aos chefes dos núcleos regionais de educação afirmando que a coleta dos livros seria feita a partir da quinta-feira 5, se estendendo até a sexta-feira 8. A alegação foi a de que a obra passará por ‘análise pedagógica’. ”

“Tendo em vista a necessidade e a importância da orientação para a realização de encaminhamentos pedagógicos a partir dos livros que fazem parte do Programa PNLD literário, com foco na construção das aprendizagens em cada uma das etapas da escolarização, solicita-se que o Núcleo Regional de Educação – NRE realize a coleta da obra ‘O Avesso da Pele’, junto às instituições de ensino sob sua jurisdição. Informamos que essa obra passará por análise pedagógica e posterior encaminhamento”, diz o ofício assinado pelo diretor de educação, Anderfábio Oliveira dos Santos.

Antes do posicionamento da secretaria de educação, um ofício com o mesmo teor já havia sido encaminhado pelo Núcleo Regional de Educação de Curitiba, este assinado pela chefe do núcleo regional Laura Patrícia Lopes.

A decisão causou reação por parte do APP Sindicato, que representa os professores e escolas do Paraná, que acusa o estado de promover censura.

“Para a APP-Sindicato, a deliberação representa um grave ato de censura que deve ser imediatamente contido pelas instituições competentes, pois é intolerável que os absurdos praticados durante a ditadura militar de 1964 sejam repetidos no presente e, principalmente, no ambiente escolar”, disse o órgão, em nota.

“Esse episódio entra para história como um dia triste e reforça a necessidade de denunciar e combater a contaminação da educação pública paranaense por ideologias extremistas, conhecidas pela negação dos direitos humanos e por atentar contra a democracia, a cultura, a diversidade e a pluralidade de ideias”, acrescentou o sindicato.

Dias antes, a obra literária foi alvo de uma cruzada por parte de uma escola no Rio Grande do Sul. A diretora de uma unidade chegou a pedir o recolhimento do exemplares e criticou o governo federal por, segundo ela, adquirir o livro de ‘vocabulário de tão baixo nível’.

Vale dizer que as próprias escolas escolhem os livros que farão parte de seu planejamento pedagógico via Programa Nacional do Livro Didático. Na ocasião, o Ministério da Educação se posicionou, em nota, afirmando que a permanência no programa é voluntária e que “as escolas podem escolher de forma democrática os materiais que mais se adequam à sua realidade pedagógica, tendo como diretriz o respeito ao pluralismo de concepções pedagógicas”.

CartaCapital também conversou com o autor da obra. O escritor Jeferson Tenório destacou que há um grande desconhecimento sobre sua obra, que aborda temas cruciais como racismo e violência policial – assuntos que, segundo ele, deveriam ser discutidos nas escolas com a devida orientação. Além disso, ele observou que a resistência à inclusão desses temas no ambiente escolar vem alinhada a um discurso político.

“É um discurso político, um discurso que foi cooptado por um conservadorismo que vem recrudescendo no Brasil, um discurso puritano, conservador, que não aceita qualquer tipo de temática que fuja a esses princípios”.

Vencedor do Prêmio Jabuti em 2021, O Avesso da Pele se passa em Porto Alegre, nos anos de 80, e conta a história de Pedro, filho de um professor de literatura assassinado em uma desastrosa abordagem policial. Motivado pela perda, Pedro mergulha em uma investigação sobre suas origens, buscando desvendar as raízes de sua família, explorar o passado e compreender melhor a vida e os ideais do pai.

Em nota encaminhada à reportagem, a Secretaria de Educação do Paraná reiterou que o livro passará por análise pedagógica e avaliação de sua aplicabilidade e que a medida ‘visa apoiar os professores no trabalho pedagógico aliado ao currículo e aos objetivos de aprendizagem em cada uma das etapas de ensino a partir do conteúdo exposto nas obras literárias disponíveis’.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo