Educação

Professores da rede pública do Paraná decidem encerrar greve

Sindicato começou a greve nesta segunda-feira contra a privatização das escolas do estado

Categoria decidiu encerrar a greve. Foto: Altvista/APP-Sindicato
Apoie Siga-nos no

Professores e funcionários das escolas da rede estadual do Paraná decidiram encerrar a greve da categoria. Os trabalhadores se reuniram nesta quarta-feira 5 em uma Assembleia Estadual Extraordinária da APP-Sindicato.

A greve tinha começado nesta segunda-feira 3. Apesar do fim da paralisação, a categoria aprovou uma “jornada de lutas” para protestar contra a privatização da gestão das escolas e exigir do governador Ratinho Jr. (PSD) o atendimento de outras pautas prioritárias para a categoria.

“Não conseguimos barrar a tramitação [do projeto que privatiza as escolas], mas incomodamos e alcançamos com grande êxito outros objetivos. A nossa luta colocou a pauta da venda das escolas no mundo, disse a presidenta da APP-Sindicato, professora Walkiria Mazeto.

A disputa entre professores e o governo de Ratinho Jr. teve início após o início da tramitação, na Assembleia Legislativa do Paraná, do projeto que passa a administração das escolas públicas do estado para empresas privadas.

O PL, chamado de “Parceiros da Escola”, tem como função principal repassar a verba que seria direcionada às escolas públicas para uma empresa que vai decidir como gastar esse dinheiro.

Sob violência de policiais contra professores, o projeto foi aprovado em sessões realizadas na segunda e na terça-feira e agora segue para a sanção do governador.

Especialistas e professores apontam diversos problemas do projeto, entre eles a ausência da obrigatoriedade de transparência dos gastos das empresas, o que facilitaria a corrupção.

Pedido de prisão de sindicalista

A Procuradora-Geral do Estado do Paraná pediu na terça-feira 4 a prisão da professora Walkiria Olegário Mazeto, presidente da APP-Sindicato.

Segundo pedido feito pelo órgão, representante jurídico do governo, Walkiria descumpriu ordem judicial ao manter a greve dos professores contra a privatização de escolas estaduais do Paraná.

O pedido ainda requer que seja arbitrada multa diária, no valor de 10 mil reais em desfavor de Walkiria, caso a presidente do sindicato continue “incitando o movimento paredista de professores”.

O órgão ainda pediu multa diária no valor de 100 mil reais em desfavor da entidade sindical, aplicável desde o dia 3 de junho, após uma determinação judicial para interromper a greve.

Até o momento, nenhuma decisão judicial foi tomada após o pedido de prisão da sindicalista.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo