“Para cada aluno na graduação, posso colocar dez crianças na creche”

Ministro da Educação minimiza redução de recursos das universidades: 'Estava claro que a nossa prioridade seria a educação básica'

Ex-ministro da educação é reeleito diretor-executivo do Banco Mundial

Ex-ministro da educação é reeleito diretor-executivo do Banco Mundial

Educação

Em um vídeo publicado em sua conta no Twitter na terça-feira 30, o ministro da educação Abraham Weintraub questiona a “polêmica” criada acerca do contingenciamento de recursos para as universidades brasileiras.

“No programa de governo que elegeu o presidente Jair Bolsonaro, estava muito claro, estava explícito que a nossa prioridade seria a educação básica, a pré-escola. Agora criou-se uma polêmica enorme porque estamos apresentando o nosso plano de governo”, declarou.

O ministro afirma que os recursos futuros serão destinados para cursos de graduação ou para a educação básica. “Aqui eu trago uma informação para você que vai pagar por isso, que é o pagador de imposto. Um aluno numa graduação custa 30 mil reais por ano, um aluno numa creche custa 3 mil reais ao ano. Para cada aluno de graduação que eu coloco na faculdade eu poderia trazer 10 crianças para uma creche, geralmente mais pobres, mais carentes, e que hoje não tem creche para elas. O que você faria no meu lugar?”, questiona o ministro.

Universidades na mira?

Em novo tuíte publicado nesta quarta-feira, o ministro voltou a falar sobre a atuação das universidades federais, novamente dando a entender que as instituições servem a um ‘aparelhamento de esquerda’ e ferem conceitos de pluralidade e tolerância.

“Para quem conhece universidades federais, perguntar sobre tolerância ou pluralidade aos reitores (ditos) de esquerda faz tanto sentido quanto pedir sugestões sobre doces a diabéticos”, publicou o ministro.

A atuação das instituições parece estar na mira do governo, desde que Weintraub assumiu o Ministério da Educação. Na tarde da última terça-feira, o ministro afirmou que as universidades que não apresentassem o desempenho acadêmico esperado e promovessem “balbúrdia” em seus campi teriam recursos cortados. Ele atribuiu à balbúrdia eventos políticos, manifestações partidárias e festas inadequadas dentro das unidades.

Ao menos três universidades federais foram enquadradas no quesito: a Universidade de Brasília (UnB), a Universidade Federal Fluminense (UFF) e a Universidade Federal da Bahia (UFBA). A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Minas Gerais, estaria sob avaliação, segundo informações de Weintraub.

Mais tarde, o MEC anunciou que o contingenciamento de recursos da ordem de 30% seria estendido a todas as universidades federais, e incidirá sobre a verba destinada para o segundo semestre.

Recentemente, o presidente Bolsonaro anunciou que Weintraub estaria estudando descentralizar recursos em faculdades de Filosofia e Sociologia. O objetivo seria focar em áreas que gerem retorno imediato ao contribuinte, como veterinária, engenharia e medicina. “A função do governo é respeitar o dinheiro do contribuinte, ensinando para os jovens a leitura, escrita e a fazer conta e depois um ofício que gere renda para a pessoa e bem-estar para a família, que melhore a sociedade em sua volta”, apontou o presidente em um segundo tuíte.

A declaração foi mais uma investida contra as universidades e também gerou polêmica entre pesquisadores e professores da área.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site CartaEducação

Compartilhar postagem