Educação

MPF quer que Weintraub pague 5 milhões por ofensas a alunos e professores

Procuradores argumentam que, desde que assumiu a Educação, o ministro vem os ofendendo e discriminando sistematicamente

Ex-ministro da Edução Abraham Weintraub. Foto: Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil Abraham Weintraub. Foto: Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Ex-ministro da Edução Abraham Weintraub. Foto: Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil Abraham Weintraub. Foto: Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O Ministério Público Federal está cobrando do ministro Abraham Weintraub, da Educação, o pagamento de 5 milhões de reais por danos morais aos professores e estudantes brasileiros.

A ação foi ajuizada pelo MP do Rio Grande do Norte. Os procuradores argumentam que, desde que assumiu a pasta, Weintraub vem ofendendo e discriminando os estudantes brasileiros. Um exemplo incluído no processo é a ameaça de cortar investimentos das universidades que promovessem ‘balbúrdia’.

Para o MPF, a fala demonstra “clara vontade discriminatória por parte do réu, pois as universidades inicialmente retaliadas pelo MEC (UFF, UFBA e UnB) atingiram ótimo desempenho” em rankings de avaliação do ensino superior.

Em entrevista concedida em 30 de abril, Weintraub disse: “universidades que, em vez de procurar melhorar o desempenho acadêmico, estiverem fazendo balbúrdia, terão verbas reduzidas”.

Outro exemplo é uma resposta do ministro a reitores e deputados do Rio Grande do Norte. Questionado sobre a falta de recursos para pagar os serviços de limpeza na Ufersa, UFRN e IFRN,  Weintraub propôs que “se chamasse o CA e o DCE” para fazer os serviços. Conforme a ação, a declaração parte do pressuposto de que os alunos “são desocupados, não realizando a contento as atividades de ensino, pesquisa e extensão a ponto de ostentarem tempo livre para, ilegalmente, exercerem tarefa que cabe à Administração”.

O valor, segundo o MPF, leva em conta a reiteração da conduta, o cargo ocupado por Weintraub e a quantidade de pessoas atingidas. Caso haja condenação, o pagamento será destinado ao Fundo de Defesa dos Direitos Difusos.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!