Ministro da Educação comete gafe e confunde 500 mil com 500 milhões

O economista titular do MEC se vangloriou de aplicar o Saeb para 7 milhões de estudantes por um valor mil vezes menor

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Educação

Ao anunciar o novo formato do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) ao lado do presidente do Inep, Elmer Coelho Vicenzi, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, cometeu uma gafe e se confundiu com os valores dos custos para a realização da prova. Em coletiva com jornalistas, por várias vezes, repetiu que aplicação do Saeb este ano custaria 500 mil reais e que o valor seria pequeno perto do gasto pelos governos anteriores. Na realidade, o custo da avaliação é mil vezes maior.

 

A conta do ministro não fechou por ‘simbólicos’ 499,5 milhões de reais a menos. O custo final da aplicação da avaliação em 2019 é de 500 milhões de reais, conforme anunciou a assessoria do Inep posteriormente., mil vezes maior que o anunciado pelo ministro. O valor, aliás, é o dobro dos 252,7 milhões gastos na última edição do Saeb, aplicado em 2017.

O baixo valor anunciado inicialmente para avaliar 7 milhões de estudantes chamou a atenção dos jornalistas que acompanhavam a coletiva de imprensa. Questionados, Vicenzi e Weintraub ficaram claramente embaraçados, mas sustentaram a informação e por várias vezes deram a entender que era possível realizar a avaliação por meio milhão. O que se seguiu foi uma sucessão de bolas fora.

“O valor não é novidade porque está previsto na LOA (Lei Orçamentária Anual)”, declarou o presidente do Inep. Ao que Weintraub emendou: “vejam só o que não podemos fazer com 500 mil reais, precisamos valorizar esse tipo de ação”.

Os dois continuaram a se vangloriar do falso feito. “O Elmer veio para cá para fazer mágica, já chegou jogando e marcando gol”, declarou Weintraub. Ao que ele responde: “Missão dada…”. Dessa vez, parece que o contribuinte foi enganado.

Aos 4’50’’ do vídeo, o ministro chega a dizer que “o que choca? Sete milhões de crianças, sete milhões de avaliações, 500 mil reais”, exaltando o feito.

[leia-tbm id=”71193″

Este ano, o Saeb terá novidades. O exame de ciências da natureza e ciências humanas para estudantes do 9º ano será aplicado pela primeira vez. A avaliação da alfabetização será feita com os alunos do 2º ano do Ensino Fundamental, mudança que já tinha sido pedida pelo governo Temer. Anteriormente, a avaliação da alfabetização era feita com todos os alunos do 3º ano do Ensino Fundamental. Agora, somente com alguns do 2º ano, por amostra. Os critérios da amostragem ainda não foram anunciados.

Em março, o governo chegou a anunciar o cancelamento da avaliação da alfabetização este ano. A ideia inicial era adiá-la para 2021 sob a justificativa de que, até lá, as escolas de todo o País teriam implantado a nova Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e se ajustado às políticas de alfabetização propostas pela referida Secretaria. Com a má repercussão da medida, o governo voltou atrás e apresentou a nova versão da avaliação da alfabetização por amostragem.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site CartaEducação

Compartilhar postagem