Inep chama de ‘ilação’ interferência no Enem denunciada por ex-funcionários

Instituto responsável ela elaboração e aplicação da prova se manifestou em ação que tramita na Justiça Federal

A sede do Inep, em Brasília. Foto: Reprodução

A sede do Inep, em Brasília. Foto: Reprodução

Educação

Em resposta à Justiça Federal de São Paulo, Inep afirmou que denúncias de ex-servidores do Inep que apontam interferência na prova do Enem são ‘ilações’. 

Segundo o órgão, não houve acesso de pessoas estranhas nos ambientes de preparação e impressão das provas. 

A afirmação foi feita na ação movida pela Defensoria Pública da União que cobra do governo federal informações sobre a organização do exame. 

“O que se constata é que a parte autora, partindo de meras ilações, pretende, sem qualquer justificativa, valer-se do expediente para instaurar verdadeiro inquérito judicial no caso concreto”, afirma o Inep.

Na ação, a Defensoria pede que seja esclarecida quais medidas foram adotadas para que a saída dos servidores não atrapalhe a aplicação da prova, se houve acesso à prova por pessoas de fora do Inep e se houve a exclusão de itens da prova.

O Inep afirma ainda que “ameaçar ou impedir a realização do exame, abalar a sua credibilidade, é retirar destes jovens a possibilidade de acesso a uma educação de qualidade e a um futuro melhor, com a necessária inserção no mercado de trabalho”, afirma ofício.

Ainda no documento enviado à Justiça, o Inep evitou falar sobre a demissão de 40 funcionários ligados ao Enem. No entanto, esclareceu que as demissões ainda não são definitivas por não terem sido publicadas no Diário Oficial. 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem