Governo Bolsonaro interferiu na prova do Enem, apontam ex-funcionários do Inep

De acordo com o Estadão, o diretor de Avaliação da Educação Básica solicitou a exclusão de mais de 24 questões do Exame

Estudante se preparando para prova do Enem. Fonte: Shutterstock

Estudante se preparando para prova do Enem. Fonte: Shutterstock

Educação,Política

O governo do presidente Jair Bolsonaro, desde 2018, tenta interferir no conteúdo do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), apontam servidores do órgão que conversaram com o jornal O Estado de S. Paulo.

À publicação, funcionários do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) revelaram que a gestão federal busca estratégias para analisar previamente as perguntas do exame, comprometendo a inviolabilidade da prova e determinando a supressão de “questões sensíveis”. 

Na semana passada, 37 servidores ligados à elaboração da prova pediram exoneração da autarquia responsável pela aplicação do Exame.

De acordo com eles, o diretor de Avaliação da Educação Básica do Inep, Andreson Oliveira, dirigente designado pelo presidente do Inep, Danilo Dupas, teria lido as questões que a equipe técnica havia montado e solicitou a exclusão de mais de 24 delas. 

 

 

Em entrevista ao programa Fantástico, da TV Globo, uma ex-funcionária afirmou que as questões excluídas tratam da história recente do País.

Em viagem diplomática, Bolsonaro afirmou que o Enem começa agora a “ter a cara” do governo e que “ninguém precisa estar preocupado com aquelas questões absurdas do passado”.

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, e o vice-presidente, Hamilton Mourão, negam que tenha havido interferência. 

O Enem é elaborado a partir de um banco de dados de questões feitas por professores contratados. No entanto, segundo servidores, o atual presidente do órgão determinou que as perguntas escolhidas não poderiam ser consideradas inadequadas pelo governo. 

Ex-funcionários denunciaram que havia uma pressão excessiva e assédio moral no departamento. Eles afirmaram ainda que o clima de pressão atual já levou a uma autocensura dos grupos que escolhem as questões.

Interferências anteriores

Em 2018, descontente com uma questão relacionada ao dialeto gay e travesti, o presidente Bolsonaro determinou a criação de uma comissão para avaliar a pertinência do Banco Nacional de Itens do Enem com a “realidade social” do Brasil. 

O então ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou que as questões não viriam carregadas “com tintas ideológicas”.

A comissão desaconselhou, no ano seguinte, 66 questões selecionadas por profissionais da educação por promover “polêmica desnecessária” e “leitura direcionada da história” ou ferir “sentimento religioso”.

Já neste ano, o Inep tentou criar um grupo permanente para analisar a prova e retirar “questões subjetivas”, que contivessem “itens com vieses político-partidários e ideológicos”. 

No entanto, o Ministério Público Federal recomendou a dissolução da comissão. 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem